Pedras no caminho do Manobra do Bem

“No meio do caminho tinha uma pedra; tinha uma pedra no meio do caminho”. Quando Carlos Drumond de Andrade apresentou este poema em 1928, o empreendedor Social Sandro Soares, o “Testinha”, que nem nascido era e hoje preside a ONG Social Skate, jamais imaginaria que após 88 anos da publicação, os versos serviriam para retratar uma realidade que ele e a sua trupe estão passando.

É que no caminho das crianças que participam do projeto Manobra do Bem infelizmente não foi uma única pedra que apareceu como nos versos de Drumond, e sim vários Bloquetes tipo paralelepípedos, que vão pavimentar a Rua Rosa em Calmom Viana, onde se localiza a sede da ONG, ou melhor, a casa de Sandro e Leila, inviabilizando, de vez, a continuidade das aulas de skate que ali eram desenvolvidas desde 2010.

Sandro não é contra a iniciativa da Prefeitura de Poá, pelo contrario, é a favor porque o piso é ecologicamente correto e facilita a escoamento da água da chuva, tipo de pavimentação que evita enchentes e alagamentos. O que lamenta é que agora não possa mais utilizar a rua para promover as aulas de skate.

“Este tipo de pavimentação com bloquetes faz as rodas dos skates travarem e consequentemente provocar um acidente”, explica Testinha. “Acho muito positivo a iniciativa porque mostra para as crianças a questão ambiental, o que eu questiono é a falta de uma área de lazer em todo o bairro”, finaliza.

No entanto, a única solução encontrada para a continuidade do trabalho da ONG Social Skate foi de carregar todo o equipamento utilizado nas aulas da frente de sua casa para a praça onde se localiza a Igreja do bairro, porque ali, por enquanto, o piso permanece como antes, liso.

Apoio não faltou e sensibilizado com a causa o skatista profissional Fábio Cristiano – Chupeta – que faz parte do staff da Nike, ao saber, dirigiu-se até o local para dar um apoio moral e passar um pouco do seu conhecimento para os alunos, e participou junto com a criançada, de uma aula no novo pico.

“Foi uma manhã agradável, mesmo tendo que carregar as rampas por quase cem metros todos nós nos divertimos, só é triste saber que além dos obstáculos do skate, agora a família Manobra do Bem terá que superar mais este, dos paralelepípedos”, disse Chupeta.

Sandro Soares e sua esposa Leila Vieira agora terão que desviar de mais estas pedras que surgiram em seus caminhos e prometem não desistir. “Percebemos que é possível mudar pessoas com o nosso trabalho e não vamos parar”, disse Leila, a pedagoga do projeto. “Não sabemos o que será daqui para frente, mas sonhamos sempre com um Brasil melhor e pedimos para que mais pessoas sigam exemplos como o nosso e promovam ações positivas para as crianças”, finaliza.

A Ong Social Skate é responsável pelo projeto Manobra do Bem e leva o skate de mãos dadas com a educação para cerca de 70 crianças em situação de vulnerabilidade social em Calmon Viana, na pequena cidade de Poá/SP. “É nas adversidades da vida que o ser humano encontra solução, superação, criatividade e esperança de melhorar sempre”. Finaliza emocionado, Testinha.

Foto: T. Thomas

One thought on “Pedras no caminho do Manobra do Bem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *