Kerber bate Serena e é campeã do Austrália Open

Kerber bate Serena e vence o primeiro Grand Slam da carreira: Foto: Divulgação/AO
Kerber bate Serena e vence o primeiro Grand Slam da carreira: Foto: Divulgação/AO

Um duelo digno de final de Grand Slam (de fato). Para quem pedia um “jogo”, principalmente pelo nível que Serena Williams vinha apresentando diante das rivais, não se decepcionou e assistiu a uma partida de alto nível entre a americana e a alemã Angelique Kerber. O jogo ficou indefinido até os últimos momentos. A alemã derrotou a campeã de 2015 por 2 sets a 1, com parciais de 6/4, 3/6 e 6/4.

Buscando seu 22° título de Grand Slam, Serena Williams entrou em quadra com um placar favorável (5 a 1) em vitórias contra a alemã. Sem perder um set sequer na edição do AO, a norte-americana havia massacrado todas as oponentes até chegar à final. Até chegar à final. Desde Steffi Graf, uma tenista alemã ainda não havia vencido um Grand Slam. Em sua primeira final de Slam, Kerber não só chegou com autoridade como venceu e agora vive o melhor momento na carreira quando será anunciada na próxima segunda-feira, 1, na segunda colocação no ranking da WTA.

Jogo

Serena Williams começou o jogo sacando mal, e logo foi quebrada no terceiro game do jogo. Kerber, por outro lado, desde o início devolveu como ninguém. Williams batia e a bola voltava. Sempre era preciso bater mais uma para confirmar o ponto.

Após a quebra, o saque da americana melhorou. Com melhor saque e boas devoluções de Serena, o game de Kerber foi quebrado logo na sequência. Parecia que a número 1 do mundo tinha, finalmente, entrado no jogo e que ia controlar a partida como costuma fazer com as adversárias. Mas não. Começou a jogar com segundo saque novamente e mais uma vez foi quebrada pela consistência nas devoluções de Angelique.

A intensidade da alemã obrigou a americana tentar finalizar os pontos rapidamente. Foram aí que os erros surgiram. Apareceram e ficaram. A quantidade de erros não forçados no primeiro set (23) facilitou a vida da estreante em finais de Slam que fechou em 6/4.

No segundo set, os problemas de Serena foram amenizados, mas não solucionados. A bola continuou voltando para o lado da quadra norte-americana e os erros, apesar de em menor frequência, não cessaram.

O jogo seguia equilibrado até em um game de saque totalmente atípico, a alemã cometeu duas duplas faltas. Serena aproveitou e quebrou. A quebra foi suficiente para dar vantagem à Serena que fechou a segunda parcial por 6/3.

No terceiro set os problemas de Serena voltaram, assim como no primeiro. O jogo espectacular feito por Kerber não deu chances para a campeã de 2015 vencer mais uma vez na Austrália. Ao todo, foram 46 erros não forçados, contra apenas 13 de Angelique.

Marca

Em 26 finais de Grand Slam, com a deste sábado, 30, Serena perdeu apenas 5. Duas finais para a irmã Venus Williams: US Open em 2001 e Wimbledon em 2008; para Maria Sharapova: Wimbledon em 2004; Samantha Stosur: US Open em 2011; e agora para Angelique Kerber: Austrália Open em 2016.

Dos 21 Slams, são SEIS do Austrália Open, TRÊS de Roland Garros, SEIS de Wimbledon e SEIS de US Open.

Kerber recebeu congratulações de nomes do tênis:

 

Confira o momento do título inédito para a alemã:

Ponto de vista do redator:

O título de Angelique Kerber, para quem acompanha tênis, não deve ser encarado com surpresa para ninguém. Mostrou nos últimos anos a qualidade do seu tênis ao se consolidar no TOP 10 mundial. Um Slam era o que faltava para a alemã ser mais respeitada no circuito internacional e pela imprensa especializada.

Ninguém colocou Kerber como uma possibilidade de atrapalhar os planos de Serena em mais um torneio importante. Kerber passou com autoridade por todas as adversárias e derrotou nada mais nada menos que dois nomes favoritíssimos ao título: Victoria Azarenka e Serena Williams. Venceu com autoridade e vem com tudo para a temporada que só está iniciando.

Vale lembrar que Serena estava a um Slam de empatar com Graf (alemã). Quem diria que outra alemã fosse impedir (ou melhor, prorrogar) essa marca da americana?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *