Cristina Fontenele

About Cristina Fontenele

Jornalista, escritora e publicitária. Também atua como terapeuta renascedora no Clube do Renascimento de Fortaleza. Acredita que a Existência é sábia e está ao nosso favor. Deseja que o fluxo da vida continue nos levando para as experiências de crescimento e de amor.

Posts do Autor

Parece pesadelo

Em tempos de violências simbólicas e reais, e outras inúmeras com siglas infinitas, sobretudo em relação às mulheres, cada iniciativa pode se tornar um ato de rompimento com essa loucura da vida real. Escrever é necessário. Na última semana, povoou os noticiários o caso do auxiliar de serviços gerais com 17 passagens pela polícia por […]

Continue lendo

O tempo presente

Há dias em que conseguimos pegar o tempo com a mão. Como se tivesse corpo, ele nos enxerga. Essa comunhão traz calmaria nas águas de dentro, mesmo quando as tempestades transbordam. Mas para merecer esse encontro é necessário um atravessar – de dores, desculpas e planos. O tempo corre a nossa revelia. É um sujeito […]

Continue lendo

Como amar?

Poderia falar sobre escrever cartas apaixonadas, poemas, mensagens, ou sobre o medo de se declarar para a outra pessoa. Quem sabe seja melhor recuar, já que pode não haver correspondência do outro lado. Não. Talvez valha a pena arriscar, a espera dói mais do que permanecer na dúvida. De repente, tudo vai ficando em segundo […]

Continue lendo

Indo além da dualidade

Nascemos da unidade – o amor – e caímos na dualidade na nossa primeira grande mudança – o nascimento. O embate entre vida e morte assim que viemos ao mundo cria nossa primeira cisão, o momento decisivo pela vida. O sentimento de completude que vivíamos no útero não mais se reproduz. Lá dentro tudo era […]

Continue lendo

Uma Fala Carpinejar

Uma noite refrescante. Ouvir o escritor gaúcho, Fabricio Carpinejar, conversar sobre como ser “feliz por pouco e transbordando por muito, como ser feliz criativamente”, nos lembra do tempo para o afeto, do abraço sentido, do contato honesto com o outro. Carpinejar, que uniu os sobrenomes da mãe (Carpi) e do pai (Nejar) para se fazer […]

Continue lendo

Não existem vidas comuns

“A grande pergunta que move minha vida é perceber como cada um inventa uma vida. Não existem vidas comuns, nossos olhos é que são domesticados.”. Com a fala mansa, pausada, reflexiva, Eliane Brum foi habitando todos os presentes no auditório da XII Bienal Internacional do Livro do Ceará. Uma palestra despretensiosa de segunda-feira sobre como […]

Continue lendo

Destemperados

Manhã de uma terça-feira. Três horas de espera na fila do banco e as reclamações começam. – Estou aqui desde dez horas, isso é um absurdo! – protesta um. – É assim que vocês tratam os correntistas de vocês?! – questiona indignado um homem alto. – Senhor, falta muito para minha senha? Estou passando mal de […]

Continue lendo

A Vida como vem

Ao meu lado a mãe repetia: “Eu disse filho que não ia doer. Você precisa confiar na sua mãe.” E o garotinho, que antes berrava durante o exame de vídeo deglutição, assentiu como criança: “É mãe, é que eu pensei que ia doer. Mas você também um dia já foi criança.”. Enquanto eu esperava minha […]

Continue lendo

O Lugar da Velhice

Ela já não caminha tão confiante, repete as perguntas, esquece as respostas, troca os nomes e fala palavrões com mais facilidade. A jovem senhora bagunça a rotina, rebelde não aceita remédios, tampouco as fraldas para as incontinências; teima em desobedecer regras que a família tenta impor, logo ela que sempre foi dona da própria vida. […]

Continue lendo

De Mãos Dadas com o Amor

Dezembro passado, vi dois rapazes andando de mãos dadas pela calçada de uma avenida     movimentada da cidade. Era tardinha e a cena natural me lembrou da felicidade em assumir quem somos, quem amamos, a despeito do que os outros desejam escolher por nós. Viajo de réveillon para o Uruguai e andar de mãos dadas com […]

Continue lendo