Portugal recebeu carta para que Duarte Lima seja julgado no Brasil por homicídio

duarte-limaAutoridades brasileiras querem que o ex-deputado Duarte Lima seja notificado para o julgamento do homicídio de Rosalina Ribeiro, ocorrido em dezembro de 2009. 

A Procuradoria-Geral da República (PGR) anunciou ter recebido a carta rogatória das autoridades brasileiras para que o ex-deputado social-democrata Duarte Lima seja notificado para o julgamento do homicídio de Rosalina Ribeiro, ocorrido em dezembro de 2009.

“O pedido de notificação de Domingos Duarte Lima, acompanhado de ofício do Ministério Público Federal, datado de 28 de julho de 2015, foi recebido na PGR, por via eletrónica, nessa mesma data”, indicou hoje a PGR à agência Lusa.

A PGR adianta que o pedido de notificação será agora “transmitido à Instância Central Criminal de Lisboa, para execução”.

A informação sobre o envio da carta rogatória pelas autoridades judiciárias brasileiras foi avançada na madrugada de hoje pelo “Sol online”, tendo sido replicada pelo jornal I que refere que Duarte Lima será intimado nos próximos dias para o julgamento pelo homicídio de Rosalina Ribeiro, morta a tiro em dezembro de 2009, em Saquarema, nos arredores de Rio de Janeiro.

Rosalina Ribeiro foi a companheira do milionário português Lúcio Tomé Feteira, falecido em 2000, e Duarte Lima era o seu advogado num processo na justiça brasileira relacionado com a herança e que envolvia também a filha do milionário português.

Anteriormente, o juiz do tribunal de Saquarema decidiu acusar e levar Duarte Lima a julgamento em tribunal de júri pelo homicídio de Rosalina Ribeiro. A decisão foi tomada pelo juiz de instrução Ricardo Pinheiro Machado, da segunda vara do Tribunal de Saquarema, no estado do Rio de Janeiro.

O pedido para a realização do julgamento perante um júri foi feito, em requerimento dirigido ao juiz, pelo advogado de defesa de Duarte Lima no Brasil, João Ribeiro Filho.

No requerimento, a que a agência Lusa teve acesso, o advogado de Duarte Lima apresentou as alegações finais, considerando que a imputação de homicídio a Duarte Lima é uma “acusação monstruosa feita de forma leviana pela autoridade policial e ratificada pelo Ministério Público”.

“Não se baseia em nenhum facto verificável, mas em dados falsos e em meras presunções e especulações, em testemunhos de ouvir dizer ou em testemunhos clamorosamente falsos, como foi o testemunho da principal inimiga que Rosalina Ribeiro teve ao longo da sua vida, e sobretudo num envenenamento sistemático e manipulador dos media pela investigação, procurando dessa forma criar um facto consumado que conduzisse a uma condenação antecipada junto da opinião pública e com isso condicionar uma decisão judicial final”, diz o requerimento.

Entretanto, Duarte Lima foi condenado em Portugal a 10 anos de prisão efetiva por burla qualificada e branqueamento de capitais no caso Homeland, relacionado com crédito obtido no Banco Português de Negócios (BPN) para compra de terrenos em Oeiras.

O seu advogado, Soares da Veiga, recorreu da decisão condenatória para o Tribunal da Relação de Lisboa (TRL), que ainda não proferiu acórdão.

Procuração especial 

Entretanto, soube-se que Domingos Duarte Lima passou uma “procuração especial” ao seu advogado no Brasil para que este, em sua representação, facilite a notificação do ex-deputado português para o julgamento sobre o homicídio de Rosalina Ribeiro, disse à Lusa fonte ligada ao antigo político do PSD.

“Duarte Lima passou uma procuração especial ao seu advogado no Brasil (João Ribeiro Filho) conferindo-lhe poderes para o representar na carta rogatória a fim de apressar o julgamento no Brasil”, adiantou à agência Lusa a mesma fonte.

Com esta procuração especial, Duarte Lima poderá ser notificado para julgamento no Brasil, através do seu advogado, o que permite acelerar o processo, explicou a fonte.

observador

Graciano Coutinho - Jornalista

Sobre Graciano Coutinho - Jornalista

A comunicação é a arma mais poderosa do nosso tempo, formando um triangulo ideal-mental, em cujo ápice se encontram os três veículos principais da informação, da mensagem e da mobilização de massas: o Jornal, a Rádio e a Televisão. Na base, o Livro, o Cinema e o Teatro, estes três últimos, porém, com muito menor raio de ação e com reflexos não instantâneos na massa amorfa das multidões, sobre cuja sensibilidade atua mais com o “imediato” da noticia e da informação, que o complexo elaborado dos outros instrumentos intelectuais de expressão e de comunicação. ................................................ Essas considerações, de caráter filosófico, aliás, primário, vêm a propósito de um português que se tem destacado na Colônia e nos meios luso-brasileiros por uma atividade constante no jornalismo, na radiofonia e com incidência também na televisão, sempre dando caráter construtivo à sua missão de critica não apaixonada, de informação correta, na ação não divisionária, pois seu objetivo profissional tem o duplo sentido de INFORMAR e de UNIR. Graciano Coutinho, tem sido, assim, um elemento de fraternização e integração, pela inteligência, pela sinceridade e, sobretudo, pela veracidade com que informa e serve aos interesses e ideais da Comunidade Portuguesa e da Família Luso-Brasileira. Muitos e bons têm sido os serviços que presta à Comunidade, sem empáfia e sem carisma de nenhuma espécie. Entra por tudo isso neste friso de pedreiros-intelectuais, dedicados à construção de nossa Comunidade de língua Portuguesa. Graciano Coutinho nasceu em Rocas do Vouga, Concelho de Sever do Vouga, Distrito de Aveiro, filho de Maria Antonia Coutinho. É Jornalista profissional. Desde que chegou ao Brasil, em 9 de maio de l959, teve sempre participação ativa no meio jornalistico, social e associativo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *