Mercado Imobiliário de Fortaleza cresceu 38.58% e ja superou R$ 1 bilhão em 2010


O setor imobiliário do Ceará, em que a Comunidade empresarial luso-brasileira tem uma das principais fatias de mercado, conquistou entre janeiro e junho deste ano, mais de R$ 1 bilhão em vendas, o que representa um crescimento de 38,58% em relação ao mesmo período de 2009, quando as vendas atingiram a marca de R$ 726 milhões. Os dados são de um estudo realizado pelo Centro de Pesquisa, Estatística e Informações do Mercado Imobiliário (CEPIN), do Sindicato das Empresas de Compra, Venda e Locação de Imóveis do Estado do Ceará (Secovi). De acordo com a pesquisa, o Índice de Velocidade de Vendas (IVV) que mede a comercialização de imóveis, cresceu 78% neste período. Foi registrado, ainda, que em 2009 a velocidade de venda média de empreendimentos por mês foi de 7,55%, já este ano esse percentual subiu para 13,46%. Isso mostra o potencial econômico da cidade e como a capital cearense tem despertado a atenção de novos investidores – que acreditam no desenvolvimento local.

Em entrevista, o presidente do Sindicato das Empresas do Comércio e Serviços Imobiliários do Ceará (Secovi-CE), Sérgio Porto, afirmou que os próximos anos trarão bons resultados. Porto afirmou que em 2009, ano marcado principalmente pela crise econômica mundial, foram comercializados R$ 1,5 bilhões e, para 2010, esperam-se R$ 2 bilhões em transações no mercado imobiliário. Quando questionado sobre o perfil do consumidor cearense, principalmente aqueles que residem na capital, Porto afirmou que “estes, buscam por qualidade de vida, empreendimentos que incluam a idéia de sustentabilidade e proximidade com áreas verdes tanto à beira-mar quanto perto de parques e reservas ecológicas. Regiões com facilidade de infraestrutura também são mais valorizadas.
Com a sensivel parcela de empreendedores portugueses e luso-brasileiros, estima-se que o mercado imobiliario atinja um aumento de mais de 50% até ao final do ano e crescimento ainda maior em 2011,

Graciano Coutinho - Jornalista

Sobre Graciano Coutinho - Jornalista

A comunicação é a arma mais poderosa do nosso tempo, formando um triangulo ideal-mental, em cujo ápice se encontram os três veículos principais da informação, da mensagem e da mobilização de massas: o Jornal, a Rádio e a Televisão. Na base, o Livro, o Cinema e o Teatro, estes três últimos, porém, com muito menor raio de ação e com reflexos não instantâneos na massa amorfa das multidões, sobre cuja sensibilidade atua mais com o “imediato” da noticia e da informação, que o complexo elaborado dos outros instrumentos intelectuais de expressão e de comunicação. ................................................ Essas considerações, de caráter filosófico, aliás, primário, vêm a propósito de um português que se tem destacado na Colônia e nos meios luso-brasileiros por uma atividade constante no jornalismo, na radiofonia e com incidência também na televisão, sempre dando caráter construtivo à sua missão de critica não apaixonada, de informação correta, na ação não divisionária, pois seu objetivo profissional tem o duplo sentido de INFORMAR e de UNIR. Graciano Coutinho, tem sido, assim, um elemento de fraternização e integração, pela inteligência, pela sinceridade e, sobretudo, pela veracidade com que informa e serve aos interesses e ideais da Comunidade Portuguesa e da Família Luso-Brasileira. Muitos e bons têm sido os serviços que presta à Comunidade, sem empáfia e sem carisma de nenhuma espécie. Entra por tudo isso neste friso de pedreiros-intelectuais, dedicados à construção de nossa Comunidade de língua Portuguesa. Graciano Coutinho nasceu em Rocas do Vouga, Concelho de Sever do Vouga, Distrito de Aveiro, filho de Maria Antonia Coutinho. É Jornalista profissional. Desde que chegou ao Brasil, em 9 de maio de l959, teve sempre participação ativa no meio jornalistico, social e associativo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>