Mergulho na irrealidade cotidiana

Reprodução do artigo publicado na editoria de Opinião, edição de 7/9/2017 do O POVO.///

Mergulho na irrealidade cotidiana///

Os últimos acontecimentos tornam ainda mais difícil saber se transitamos pelo surreal (mistura de sonho e realidade), se vivemos na hiper realidade (algo que é real e fictício ao mesmo tempo), ou se alcançamos a síntese superior negativa de ambas: um pesadelo transfigurado em irrealidade aprisionante.

A descoberta de malas de dinheiro com R$ 51 milhões, supostamente pertencentes ao “criminoso em série” Geddel Vieira Lima, leva também à pergunta: qual o limite do fetiche que faz alguém a acumular tanto dinheiro em um apartamento vazio, como se fosse um Tio Patinhas insano?

Será que, às vezes, o proprietário ficava contemplando afetuosamente os pacotes de cédulas, com um sorriso suave, porém delirante, repetindo em voz baixa: “É tudo meu, é tudo meu, eu tenho o poder”?

Que mundo paralelo é esse em que milhões de reais viram troco; no qual procuradores agem como celebridades e magistrados confrontam a ética e o sentido de justiça?

É um mundo em permanente colisão, por exemplo, com a irrealidade real de 50 milhões de brasileiros que dependem do Bolsa Família para comprar comida para mal e mal alimentar os filhos. Irrealidade na qual metade da população vive sem acesso à coleta de esgoto e com 40 milhões de pessoas vivendo sem água tratada.

O programa Bolsa Família paga, em média, R$ 176 por família; assim o dinheiro encontrado no “bunker” daria para abastecer cerca de 290 mil famílias por um mês. O valor também representa 54.500 salários mínimos (R$ 937); ou seja, um assalariado precisaria trabalhar mais de 4.500 anos para alcançar esse valor, o que somente seria possível em uma hiper irrealidade surreal.

Faz parte desse admirável mundo Matrix as trôpegas declarações de dois altos executivos da JBS (um deles o proprietário do frigorífico) revelando como manipulam o caldeirão sujo onde é cozinhada a carne estragada que nutre os nossos pesadelos cotidianos.

Plínio Bortolotti

Sobre Plínio Bortolotti

Jornalista. Diretor Institucional do Grupo de Comunicação O POVO, jornal, rádios e TV (Fortaleza, Ceará). No jornal O POVO foi repórter, editor e ombudsman por três mandatos (2005/2007). Integra o Conselho Editorial do jornal e coordenou o Conselho de Leitores (2008/2015). Também é responsável pelo projeto Novos Talentos para estudantes de Jornalismo. Escreve um artigo semanal para a editoria de Opinião e assina a coluna "Menu Político", no caderno People. Na rádio O POVO/CBN é âncora do programa diário "Debates do Povo" e faz comentário diariamente no programa de rádio Revista O POVO/CBN. Diretor da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), entre os anos de 2008/2011. Cidadão Cearense, por título concedido pela Assembleia Legislativa em dezembro de 2010.

One thought on “Mergulho na irrealidade cotidiana

  1. 7 de setembro independência do Brasil,mas será?uma coisa eu tenho prá dizer em meio a tudo isso, que os políticos são iguais a coco de gato e o judiciário ineficiente vêm em seguida nossas instituições perderam a credibilidade quem acredita na polícia seja militar , civil federal, exército, marinha, aeronáutica, quem acredita no tal MPF quem acredita no supremo ?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *