Aproximadamente 187 resultados (0,218 segundos)

Jesus, o revolucionário

Carlus

Reprodução da coluna “Menu Político”, caderno “People”, edição de 28/9/2014 do O POVO. Jesus, o revolucionário Plínio Bortolotti O livro ganhou mais destaque devido a um questionamento agressivo de uma repórter, perguntando por que, sendo ele muçulmano, meteu-se a escrever sobre Jesus. Reza Aslan explicou que era um estudioso, com doutorado em história das religiões, [...]

Continue lendo

Religião e política

Hélio Rôla

Reprodução do artigo publicado na edição de 25/9/2014 do O POVO. Religião e política Plínio Bortolotti O caso mais antigo, pelo menos até aonde vai a minha memória, aconteceu em 1985 d.D. (depois da ditadura). Fernando Henrique Cardoso era candidato a prefeito de São Paulo, enfrentando o histriônico Jânio Quadros. O não menos Boris Casoy, [...]

Continue lendo

Desqualificação da política e o risco à democracia

Arte: Carlus

Reprodução da coluna “Menu Político”, publicado no caderno “People”, O POVO, edição de 21/9/2014. Desqualificação da política e o risco à democracia Plínio Bortolotti O professor Venício A. Lima, arguto observador da mídia, costuma recorrer com frequência em seus escritos a um argumento desenvolvido, na década de 1980, pela professora Maria do Carmo Campello de [...]

Continue lendo

Cid Gomes x IstoÉ: “Censura, a pior resposta”

Reprodução do artigo publicado na edição de 18/9/2014 do O POVO. Censura, a pior resposta Plínio Bortolotti A pedido do governador Cid Gomes (Pros), a juíza Maria Maciel Marleide Queiroz proibiu a circulação da revista IstoÉ em todo o território nacional, medida inconstitucional, diga-se. O caso é o seguinte: em seguida à revista Veja, a [...]

Continue lendo

O trânsito e a trave

Arte: Hélio Rôla

Reprodução do artigo publicado na edição de 11/9/2014, do O POVO. O trânsito e a trave Plínio Bortolotti São complementares estas manchetes do O POVO: “Fortaleza não consegue ordenar suas calçadas” (9/9/2014) e “362 infrações por dia no binário da Aldeota e Meireles” (10/9). A primeira revela a incapacidade do poder público em dar uma [...]

Continue lendo

O acaso vem nos socorrer ou nos afligir?

Arte: Carlus

Reprodução da coluna “Menu Político”, publicada no caderno “People”, edição de 7/9/2014 do O POVO. O acaso vem nos socorrer ou nos afligir? Plínio Bortolotti Tostão costuma dizer que técnico influi pouco nos resultados dos jogos, e que são inúmeros fatores a determinar o escore de uma partida de futebol. Na coluna de domingo passado, [...]

Continue lendo

Busca coletiva é “medida de exceção”

Reprodução do artigo publicado na edição de 4/9/2014 do O POVO. Busca coletiva é “medida de exceção” Plínio Bortolotti No artigo da semana passada, sem esconder a minha condição de leigo em Direito, ousei afirmar que o mandado de busca coletivo, comum nesta terra de Alencar, era ilegal e afrontava a Constituição. A confirmação de [...]

Continue lendo

Mandado de busca coletivo contraria Constituição

Arte: Hélio Rôla

Reprodução de artigo publicado na edição de 28/8/2014 do O POVO. Mandado de busca coletivo contraria Constituição Plínio Bortolotti Procurei, sem encontrar, nem Constituição Federal e nem no Código de Processo Penal (CPP) algum item que justificasse o “mandado de busca e apreensão coletivo”, abuso que vem sendo cometido pela polícia para entrar, aleatoriamente, em [...]

Continue lendo

Sobre homens e macacos

Carlus

Reprodução da coluna “Menu Político”, caderno “People”, edição de 24/8/2014, do O POVO. Sobre homens e macacos Plínio Bortolotti Assisti ao original O planeta dos macacos quando lançado, em 1968. Lembro ter saído maravilhado do cinema, talvez pela aventura, porém sem entender bem o enredo. Tive dificuldade de compreender o final, quando Charlton Heston, com [...]

Continue lendo

A síndrome da inauguração

Reprodução do artigo publicado na edição de 21/8/2014 do O POVO. A síndrome da inauguração Plínio Bortolotti A administração pública brasileira padece de um mal chamado “síndrome da inauguração”. Políticos (de todos os partidos) adoram cortar uma fita, espocar fogos de artifício e fazer discursos quando entregam alguma “obra”. Depois, é o desmantelo: praças são [...]

Continue lendo