Campeonato Cearense: desvalorizado financeiramente, mas com bons atrativos

Entre os 10 maiores estaduais do Brasil, o Campeonato Cearense que começa nesta quarta-feira, 10, é o mais desvalorizado financeiramente. Os clubes pagam para jogar, já que recebem apenas R$ 2,5 milhões pela competição, sem premiação alguma. Fortaleza e Ceará, juntos, ficam com R$ 1,6 milhões e o restante (o troco) é disponibilizado para as outras agremiações. Ainda que o valor total seja mínimo, essa diferença que beneficia Alvinegro e  Tricolor, os prejudica nacionalmente.

No Paulistão, apenas para efeito de comparação, os clubes dividem R$ 121 milhões; no carioca, são R$ 91 milhões; no Pernambuco são R$ 3,7 milhões e no Baiano mais R$ 2,6 milhões.

Com as ausências de Fortaleza e Ceará, fazem suas estreias respectivamente nos próximos dias 17 e 19 contra Uniclinic e Guarani-J, a competição começa com seis times em campo: Floresta x Maranguape, Horizonte x Guarani-J e Iguatu x Ferroviário.

Com regulamento modificado – são duas fases em pontos corridos e depois semifinal e final, algo que tornará a disputa mais justa para quem se preparar melhor – a competição guarda atrações relevantes.

Ceará e Fortaleza estão com grupos fortalecidos após os acessos no Brasileirão. Juntos, já contrataram cerca de 30 atletas e aumentaram suas folhas salariais. Como consequência, estão com elencos mais fortes, inclusive porque já trabalham com orçamentos mais robustos, situação positiva para os técnicos Rogério Ceni e Marcelo Chamusca, que terão ótimos duelos táticos. Vale a rivalidade, o título e clubes de futebol vivem de conquistas, também.

Tentando terminar com a hegemonia do Leão e do Vovô – há 22 anos apenas um deles é campeão – aparece o Ferroviário, com desejo de seguir no topo, como no ano passado. Do Interior, aparecem Guarani-J e Iguatu, sem contar a imprevisível luta pela permanência na 1ª divisão, batalha também de Horizonte, Maranguape, Floresta, Tiradentes e Uniclinic.

É um cenário que indica o melhor torneio dos anos recentes, menos financeiramente, a não ser o torcedor se empolgue e as rendas surpreendam.

Fernando Graziani

Sobre Fernando Graziani

Fernando Graziani é jornalista. Já cobriu duas Copas do Mundo, Copa das Confederações, duas Olimpíadas e mais centenas de campeonatos. No Blog, privilegia análise do futebol cearense e nordestino.

34 thoughts on “Campeonato Cearense: desvalorizado financeiramente, mas com bons atrativos

  1. Realmente no que pese a deficiencia financeira da competicao,o campeonato cearense de 2018 tem tudo para ser um dos mais empolgantes dos últimos anos.Temos o Ceará estimulado pelo acesso á elite nacional,o Fortaleza com o mito saopaulino Rogério Ceni e animado com a série B,o Ferroviário renascido das cinzas e também animado por participar esse ano da Copa do Nordeste,o Floresta estreando e vindo de uma conquista da Fares Lopes.Temos como tiragosto o frenesi que vai ser a briga para nao descer para a segundona de Tiradentes,Horizonte,Uniclinic,Guarani de Juazeiro,Maranguape e IguatuEnfim,a lamentar apenas a ausencia de Icasa e Guarany de Sobral.

  2. Pelos números mostrados , o problema da desvalorização é regional , imaginei que Bahia e Pernambuco teriam números bem maiores que aqui no Estado.

  3. FG, esse problema de divisão de dinheiro é seríssimo.
    Se a Bahia e Pernambuco pagam esses valores que você indicou, tínhamos condições de pagar aos clubes entre 2,5 e 3 milhões, por baixo. Nossos clubes já começam comendo poeira da BA e PE antes até mesmo da bola rolar. Impressionante!
    Sempre achei esse dinheiro de Federação e CBF uma caixa preta sem fundo. Não se sabe o que fazem com esse dinheiro, nunca vi ninguém apresentar ou pedir pedir prestações de contas.
    Desculpe a sinceridade, mas a mentalidade da FCF é um atraso sem fim.
    Fortaleza e Ceará mereciam cotas melhores, no mínimo 1,2 milhão para cada. Os demais, nem se fala. Isso aí não é cota, é ração. O Ferroviário, por ter 6 ou 8 títulos estaduais, não sei bem, deveria receber uns 500 a 600 mil, ainda mais quando vai encarar uma Série D e precisa de suporte financeiro.
    Sei não, difícil, viu?

    Muito bons seus esclarecimentos sobre o assunto.
    ST

  4. Bom retorno GRAZIANE !

    CARA(s), a DESVALORIZAÇÃO do nosso campeonato passa também por “profissionais” que, mesmo sendo DEPENDENTES dele pra se alimentar – bem como sua família – ao invés de tentarem PROMOVE-LO de alguma forma, ficam é fazendo chacota tipo: “se não existisse teria de ser inventado” ou “vai e volta(quando dos acessos conquistados aos trancos e barrancos)”.
    Não sei como seus contratantes admitem posicionamentos desse tipo, vez que quem os patrocinam, são os mesmos que PODERIAM está patrocinando os Clubes.
    QUEM VAI INVESTIR NUMA MERCADORIA QUE É DESVALORIZADA, antes mesmo de a bola rolar ?
    EU NÃO !

    UM ABSURDO !

    Não bastasse esse tipo de profissional, nossa federação NÃO AJUDA em muita coisa, além de seu presidente se fazer ser visto quase que diariamente ao lado do presidente da CBF, seja no Rio de Janeiro ou exterior.
    Enquanto isso nosso futebol pra ser visto, fica entregue a sorte dos nossos dois maiores representantes pra atrair – pelo menos – MÍDIA.

    MAS, deixando de lado os que só ATRAPALHAM, o que realmente o DESVALORIZA de fato é a CONDIÇÃO FINANCEIRA dos Clubes pra formarem equipes competitivas, trazendo JOGADORES num patamar técnico mais apurado e em condição de disputa com outros centros.

    SABE QUANDO O FUTEBOL DE NOSSA REGIÃO VAI TER CONDIÇÃO DE CHEGAR JUNTO COM SUL/SUDESTE ?

    A depender de “profissionais” do ramo fora das quatro linhas, isso nunca vai acontecer.

    Dependesse de MIM(torcedor), que não sou de CONSIDERAR tudo que escuto ou leio – pois tenho minha própria maneira de ver o futebol -, ESTARÍAMOS JUNTO DELES PAU A PAU FAZ TEMPO.

    Um futebol que antes mesmo de começarem as competições, já ficam antecipando os resultados, pondo em dúvida a capacidade técnica de profissionais que nem entraram em campo ainda.
    E pior, alguns ficam chacoteando com alguns nomes de jogadores tipo: “dupla sertaneja” / “nome de remédio”.

    Como um(s) cara(s) desses consegue(m) desempenhar(em) seu futebol sem está pressionado ?!

    Esse comparativo de valores($) mostra bem a REALIDADE do futebol do Nordeste, que de tanta DESCRIMINAÇÃO – não só pelos próprios – acaba sendo o que é.

    EU dou valor ao CAMPEONATO CEARENSE/NORDESTINO porque é nele que a gente desfruta da RIVALIDADE.
    EU dou valor ao CAMPEONATO CEARENSE porque é nele que vivo.
    EU dou valor ao CAMPEONATO CEARENSE porque tenho a CONSCIÊNCIA que SOMENTE dando-lhe o devido valor é que ele tem CHANCE DE MUDAR O SEU DESTINO.

    “FUTEBOL CEARENSE: desvalorizado financeiramente, mas com bons atrativos” é quando a gente se ver entre 65.000 torcedores num jogo único, fosse de Czona(xôcarniça) com o LEÃO DE AÇO ou Bzona com Eles LÁ(os daqui), deixando o futebol Brasileiro “boqueaberto” e se perguntando: “COMO PODE UM NEGÓCIO DESSE ?”

    Quem sabe, com as conquistas dos ACESSOS dos nossos dois maiores representantes, esses outros Clubes que vamos enfrentar não nos olhem com o olhar diferente, mesmo que seja pela certeza que eles já teem de…

    QUANDO VIEREM PRA CÁ, O ESTÁDIO VAI TÁ ABARROTADO E O BICHO VAI PEGAR.

    Ah!
    EU QUERO O CAMPEONATO CEARENSE.

  5. O manjadinho, realmente é bem desvalorizado, fruto de uma negociação mal feita, as marcas de Fortaleza e Ceará deveriam ser melhores valorizadas pelas TVs, principalmente o Esporte Interativo, quem vai lucrar com a estreia do Rogerio Ceni no Leão sãos as duas TVs que patrocinam o manjadinho, vão ter um lucro com os patrocinadores, afinal essa estreia do RC tem um apelo nacional

  6. Colocando em pratos limpos, temos que em São Paulo a distribuição financeira é bem maior porque lá temos, além dos 4 times grandes, vários times intermediários que de vez em quando conseguem alguma coisa no Campeonato local e na Copa do Brasil. No Rio so os 4 grandes mesmo e no Nordeste e Norte surgem forças grandes e tradicionais, mas com Federações mal dirigidas.
    Times que lotam estádios com suas torcidas monstruosas, fanáticas e vibrantes como a do Fortaleza, do Bahia, do Santa Cruz, do Sampaio Correia, do Remo, do Ceará, do Sport, do Paysandu e do Vitória.
    Lembrando que o Recorde de Público e Renda já há 3 anos no Nordeste pertence ao Fortaleza Esporte Clube, o Tricolor de Aço do Pici.

  7. Realmente, considerando os valores da Bahia e de Pernambuco, não estamos tão abaixo assim. O problema só é se for comparado aos campeonatos Paulista e Carioca, provavelmente, se for comparado também aos campeonatos Mineiro e Gaúcho.

  8. Grandes mesmos são Fortaleza e Ceará (dividem os milhares de torcedores) e o resto são sacos de pancadas e mesmo assim fazem um estrago danado. Ferroviário e Floresta prejudicaram muito o Fortaleza ao tomarem as vagas da Copa do Nordeste e a Copa do Brasil de 1918, respectivamente. E a missão deles nos referidos “torneios”, é apenas revelarem jovens valores e eis que vão para as disputas cheios de “cavalos velhos” onde o importante é, meramente, participar. E, assim caminha o futebol Cearense…!

  9. Assim como reclamei da divisão de cotas na Série A que prejudica o Ceará em detrimento aos grandes do eixo Rio-São Paulo, tenho que manter a coerência e reclamar agora que no cearense também é injusto Ceará e Fortaleza receberem 800 mil e os demais 150 mil. Está errado.

    Tem que ser como na Inglaterra. Divisão verificando-se a colocação final no último campeonato, audiência e ranking nacional isso para 50% do valor, os outros 50% cotas divididas de forma igual para todos. Por isso, lá a disputa envolve muitos clubes.

    Está errado essa divisão. Ceará e Fortaleza não podem ser beneficiados em detrimento aos pequenos, já que na Série A eu acho o Ceará injustiçado.

    Sem mais para o momento, fico por aqui. AVANCEMOS!!!

    1. Concordo contigo. O formato inglês com 50% dividido igualitariamente e os outros 50% divididos conforme a classificação final traria uma nova perspectiva para a competição. Com a possibilidade dos clubes menores montarem melhores elencos e a briga podendo se estender até o final da competição, pois uma melhor classificação final representaria mais dinheiro para o clube. Com os times menores mais fortes teríamos jogos de melhor qualidade e mais disputados, isto se refletiria em um aumento de público nas arquibancadas. Hoje, a baixa qualidade dos confrontos afasta o público do estádio, com exceção dos clássicos, pois aí temos uma disputa entre elencos mais qualificados.

  10. Para piorar, o nosso único clube que pertence à elite do futebol nacional – o Ceará – já declarou, mais de uma vez, que o Campeonato Ceaerense não é sua prioridade, mas sim outras competições (como a do Nordeste). Ou seja, quase que “deu de ombros”. Resta ao Fortaleza, recentemente renascido após o fim de 8 anos seguidos na terceira divisão do futebol nacional, e ao Ferroviário (em franco processo de reconstrução) o desafio de assumir o protagonismo. Triste de se ver, mas é a nossa realidade.

    1. Resta a vocês. Karniças, tentarem quebrar o tabú de 3 anos!!!
      Esses “bate e volta” já se acham!!!
      Este ano vou ver aquele cavalinho (ou éguinha “Mimosa”) se arrastando na ZONA!!! Que venham os domingos alegres!!!

  11. Caro Graziani

    É pífio o trabalho da Federação na promoção e venda do nosso campeonato. O presidente atual só se preocupa em bajular o corrupto Marco Polo e esquece de valorizar o nosso pobre campeonato. Mas os clubes são coniventes e omissos. É uma pena. Abraço.

  12. FG, na minha opinião, o abismo entre a premiação dos Campeonatos Paulista e Carioca e os demais estaduais não é culpa das federações locais, mas dos pacotes que são empurrados goela abaixo, com esses dois estaduais, para os assinantes de TV a cabo. Isto é fruto da manipulação da mídia do eixo Rio-São Paulo que privilegia especialmente Flamengo e Corínthians. É triste ver a simpatia que esses dois clubes têm no nordeste, em especial nas cidades interioranas, que chegam a organizar carreatas quando estas equipes conquistam títulos regionais. Interessante que raramente se vê nestas regiões simpatizantes dos grandes de MG e RS, que têm tantas conquistas quanto os grandes do RJ e SP. Valorizemos o que é nosso!!!

  13. Graziani, os valores arrecadados pela FCF (repasse CBF, patrocínios, publicidade, TV, etc.) são públicos? Seria interessante uma matéria fazendo uma investigação sobre essa relação entre o que a FCF arrecada e o que ela repassa aos clubes, estes os verdadeiros protagonistas do campeonato.

  14. Por falar em único time do estado na elite, LEMBRO-ME QUE O LEÃO DE AÇO FOI O ÚNICO TIME DO NORTE E NORDESTE NA ELITE DO FUTEBOL BRASILEIRO EM 2005.
    Em 2003 e 2006 havia mais dois times junto com o Fortaleza na Elite do pebol brasileiro.
    Quanto à divisão de cotas das federações para os clubes, há muita injustiça aqui no estado, pois deveria ser maior para Fortaleza e Ceará que são os únicos que dão renda.
    E a nível de Norte e Nordeste, nós estamos em empate “técnico” com Bahia e Pernambuco. Então porque não acrescentar mais um time cearense na Copa do Nordeste? Falta trabalho de bastidores e política ao presidente da Federação cearense que poderia ter ajudado ao seu próprio clube de coração, o Leão. Não precisaria arranjar um pentacampeonato, não. Bastaria uma vaguinha a mais pro Tricolor de Aço.
    ALVÍSSARAS, FG!
    ETERNAMENTE LEÃO!

  15. O que esperamos é torcer para que a classe “dirigente” do pebol alencarino e demais federaçoes formatem melhor os estaduais.Sei que na mediocridade dos dirigentes será do pouco pedir muito.Pois ao contrário de alguns,acho fundamental os estaduais.Nossas grandes rivalidades tem origem e começaram neles.Os grandes craques,mesmo indo tao cedo para o exterior, foram e sao originados neles.O modelo federativo do futebol brasileiro é tao atávico que a galinha dos de ovos ou eleitores de ouro desses medíocres dirigentes que sao elevados ao poder vem através das próprias federaçoes.E a vitrine única dessas mofadas federaçoes sao indicutível os campeonatos estaduais.Onde eram para incentivarem com pomposas premiacoes,e nao remuneraçoes ínfimas aos clubes participantes em sua grande e imensa maioria.A fome do poder é intensa e cega até chegar a inanicao.Pobre,rico e vitorioso futebol brasileiro,que é tao grande que nem a cobiça dessa podridao de “dirigentes”sem ética consegue destruir.Que venham os estaduais e viva a rivalidade saudável entre os times de futebol.
    .

  16. Amigo “jovem torcedor” do canal imundo, você estava viajando nesses três últimos anos sem Internet?
    O Meu LEÃO durante esse período venceu 4 e empatou 3 com o seu (argh!) canal imundo. Não foram apenas empates.
    Entendeu ou quer que eu desenhe?
    Vê se enchem uma vezinha o CasteLEÃO.
    O COMETA CANAL2018 BREVEMENTE ESTARÁ DE VOLTA À SÉRIE B, DESLIZANDO PARA C.

  17. Kurrazim papocou com linha, carretel, KANECO e tudo da copinha sp 2018… agora é PENTA EIMINADO….14, 15, 16, 17 E 2018…..KKKKKKK….dna3……CCCCCCCCCCCCC

  18. Graziani, não sei se a maioria das pessoas sabem, mas o canal local que transmite as partidas não pode correr atrás de patrocinadores(o que seria bom pra ele e para os times), ele é obrigado a repetir durante as transmissões os patrocinadores da rede. O pior é que os times não podem nem tentar outro canal, porque brasileiro só assiste essa rede.

  19. Os cometários sensatos que li, já disseram tudo. Uma coisa é certa, entra ano e sai ano o campeonato cearense e a política são os mesmo desenganos.

  20. FUTEBOLNÃO SE FAZ COM VENTO , TEM JOGO QUE MUITO POUCO PUBLICO , OS GRAMADOS DO INTERIOR NEM SEMPRE SÃO BONS , SEMPRE SE PENSA NO JEITINHO E O QUE TEM APELO POPULAR É O CHOQUE REI , EM SP E NO RIO TEM MAIS TIME GRANDE E OS DO INTERIOR SEMPRE DÃO SUOR E RENDA , ENTÃO AS COTAS TEM QUE SER MAIORES, AQUI TEM QUE VALORIZAR O MANJADINHO E PROCURAR DIMINUIR O PREJU.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *