Um sonho sobre duas rodas

O músico Vanildo Franco fala como concretizou uma de suas grandes metas que foi iniciar uma viagem pela América Latina de bicicleta

Vanildo FrancoViver momentos que proporcionem prazer é uma das metas diárias do ser humano, mas, lutar para alcançar sonhos requer mais persistência e coragem para ousar no desconhecido e sair da comodidade. Com esta visão que o músico e ciclista, local do município de Guaramiranga, Vanildo Franco (34), decidiu viajar de bicicleta pela primeira vez e dar a volta na América Latina, com duas amigas, a cearense, Jéssica Cisne (24), e a maranhense Suy Melo (27).

A viagem com as companheiras durou dois meses. Depois Vanildo seguiu sozinho, por entender que assim seria muito mais proveitoso. “Com essa decisão pude me conhecer melhor diante das situações de dificuldades, pois tudo era muito novo e desafiador”, relata Vanildo.

Vanildo Franco“Percorri o Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia e Minas Gerais. Cada estado tem um universo enorme e é muito rico culturalmente. Tudo chegava até mim com uma grande intensidade de energia, foi um processo lindo e ao mesmo tempo viciante. Não consegui de uma única vez dar a volta na América Latina, parei a viagem na cidade de Barão de Cocais, que fica há 90 km de Belo Horizonte, mas, foi algo que marcou a minha vida porque passei a valorizar muito mais as coisas simples, como abraçar mais as pessoas, dizer o que se sente sem deixar para outro dia, viver cada momento de forma intensa, aprender a ver o belo no simples, olhar nos olhos das pessoas e ser verdadeiro sempre, com humildade, pois a vida de quem vive na estrada é um verdadeiro emaranhado de surpresas e, neste processo, aprendemos a valorizar todo esse turbilhão de energias e sensações que a estrada nos oferece. Salve a vida, salve a verdadeira energia vital do universo”, vibra o ciclista.

Quando Vanildo decidiu realizar seu sonho

“A decisão de fazer uma viagem de bike pelo Brasil não foi de uma hora para outra. Há muito tempo estava com essa ideia na cabeça, sempre adiava porque achava que tinha que se programar muito, juntar uma boa grana, fazer um roteiro muito bem organizado. Sempre ficava na dúvida se deveria fazer sozinho ou acompanhado, até que comecei a ler sobre o assunto e ter contato com pessoas que já tinham feito algo do tipo e comecei a perceber que tudo era muito mais fácil do que eu imaginava. Tomei coragem e defini uma data para a minha saída. A partir disto, direcionei todo o meu foco para a realização do meu sonho. Comecei a trabalhar bastante para juntar uma reserva financeira e iniciei as compras dos acessórios. A montagem da bike foi um processo de dois anos, economizando e comprando equipamentos. Houve muito aprendizado porque tudo era um universo bem novo, mas, eu estava muito determinado e focado e isto me ajudou muito a realizar a viagem.

Depois de dois anos chegou o dia da partida, 24 de março de 2016. Saímos de Fortaleza com objetivo de percorrer seis países da América Latina, mergulhando de cabeça nas vivências humanas, sociais, culturais, além das percepções individuais. No início, tudo é lindo e novo, por estarmos envolvidos pelo espírito aventureiro, mas, aos poucos começam as provações. A primeira destas é conseguir se manter equilibrado psicologicamente. Se a mente não consegue, o corpo todo perece com o cansaço dos músculos, as dores, o sol forte, a comida muitas vezes não tão boa. Tudo isto vai tomando proporções maiores a medida que você vai se afastando. Nestes momentos é que começamos a perceber como reagimos diante de tudo isso e começamos a nos alimentar de outras fontes de energias que nos fazem mais fortes e nos ajudam a seguir firmes no nosso propósito.

Vanildo (esquerda) e família que conheceu na estrada
Vanildo (esquerda) e família que conheceu na estrada

Cada pessoa que cruzamos na estrada e nos oferecem uma ajuda, uma palavra de incentivo, um prato de comida, um abraço nos faz aos poucos dar mais valor a cada momento e vamos percebendo que no mundo há muito mais pessoas boas do que pessoas más. A bicicleta nos proporciona perceber com mais clareza as belezas e os pequenos detalhes da estrada, o vento soprando, os pássaros cantando, o vento gelado nas manhãs tocando nosso rosto, o sol nascendo e se pondo, os nativos de cada região com seus sotaques, sua forma simples de se comunicar, as tradições de cada cidade, de cada região, os cheiros os temperos, tudo nos mostra como somos tão presos a nossas zonas de conforto e de como é lindo poder sair dela para conhecer outros lugares e não só conhecê–los, mas, principalmente vivê-los com toda a intensidade que podermos.

Desligar-se da internet e se conectar com as pessoas de cada lugar. A bicicleta me fez perceber que a vida pode e deve ser vivida de uma outra forma, em um outro ritmo. Podemos nos conectar melhor com o que há de essencial no universo, ampliar a nossa compreensão de mundo e nos colocar em um clima de harmonia e plenitude com o universo”, finaliza Vanildo Franco.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *