Uma a cada cinco crianças nos países ricos vive na pobreza

Uma a cada cinco crianças nos países ricos vive na pobreza, segundo um relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) publicado nesta quinta-feira, 15, que estabelece uma classificação sobre o bem-estar infantil levando em conta 41 países.

Dois países do norte da Europa – Alemanha e Suíça – lideram em termos de progresso social. Já Romênia, Bulgária e Chile são os últimos da lista, apontando que os três últimos têm renda per capita menor.

Segundo a entidade, a “renda nacional elevada não basta para garantir bons resultados em termos de bem-estar para as crianças”, exemplificando com o caso de Estados Unidos e Nova Zelândia, 37º e 34º colocados, respectivamente. A Eslovênia na 9ª posição, supera amplamente países mais ricos em vários indicadores.

Os dez países mais bem classificados são: Noruega, Alemanha, Dinamarca, Suécia, Finlândia, Islândia, Suíça, Coreia do Sul, Eslovênia e Holanda.

Uma pessoa vive na pobreza quando está em uma família cujos ganhos são inferiores à 60% da renda média nacional.

Como funciona
A classificação inclui 41 países da União Europeia e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), e foi elaborada com base nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável definidos em 2015 pela Organização das Nações Unidsa (ONU). Alguns deles são a redução da pobreza e da fome e a promoção da saúde, do bem-estar e da educação.

Em média, uma a cada cinco crianças (21%) nestes 41 países de “alta renda” vive na pobreza. Entre os países, no entanto, há dados bastante divergentes. Na Dinamarca e na Islândia, 10% das crianças vivem na pobreza, enquanto na Espanha (16ª posição) o índice é de 30,5%, no México (38º), de 31,6%, e no Chile, de 25,5%.

A obesidade em crianças com idade entre 11 e 15 anos, que “constitui igualmente uma forma de má nutrição”, cresce na maioria dos países.

A taxa de mortalidade neonatal (durante as quatro primeiras semanas de vida) foi reduzida nos últimos anos, mas Canadá, Estados Unidos, Chile, México, Bulgária e Turquia ainda apresentam índices superiores à média de 2,8 mortes por mil nascimentos.

Mesmo nos países com os melhores resultados em educação, como Estônia, Japão, Finlândia e Canadá, quase um a cada cinco alunos de até 15 anos não tem um nível de competência mínimo em leitura, matemática e ciências.

Fonte: Folha de São Paulo

Valeska Andrade

Sobre Valeska Andrade

Formada em História pela Universidade Federal do Ceará e em Pedagogia pela Universidade Estadual do Ceará. Especialista em Cultura Brasileira e Arte Educação. Coordenou o Programa O POVO na Educação até agosto de 2010. Pesquisadora e orientadora do POVO na Educação de 2003 a 2010, desenvolveu, entre outras atividades, a leitura crítica e a educomunicação nas salas de aula, utilizando o jornal como principal ferramenta pedagógica. Atualmente, é professora de história da rede estadual de ensino. Pesquisadora do Maracatu Cearense e das práticas educacionais inovadoras. Sempre curiosa!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *