Bullying, exposição e golpes: o papel das escolas diante dos riscos da internet

Em 2015 uma estudante de 15 anos de Itanhaém, no litoral de São Paulo, pediu para ser transferida de escola após alguns colegas de classe compartilharem por WhatsApp montagens que a humilhavam. Na época, a diretoria não acreditou na aluna, o que intensificou os ataques dentro da escola – meses se passaram até ela e a mãe conseguirem provar após terem acesso às mensagens, e então a troca foi realizada.

Já em outro caso que ocorreu em uma escola pública de Brasília, há pouco mais de um ano, a humilhação envolveu 10 estudantes que foram expostas em uma montagem em vídeo com conotação sexual; fotos utilizadas no vídeo foram retiradas do próprio perfil nas redes sociais das vítimas, desde selfies na escola a fotos de biquíni.

A internet, parte importante da vida dos jovens, traz riscos com os quais eles não estão preparados para lidar. E, além da família, a escola tem um papel fundamental a desempenhar nessa área.

“O  educador deve, ao usar qualquer tecnologia digital, deixar muito claro até aonde vai a porta da sala de aula, para evitar interações digitais perigosas com os alunos”, avalia Patrícia Peck Pinheiro, especialista em Direito Digital. “Já a instituição deve orientar, deixar as regras claras, inclusive atualizando-as tanto no contrato de matrícula com o aluno, como no contrato de trabalho do educador”, completa.

Risco calculado? 

Crianças hoje em idade escolar já nasceram em um mundo que não se desconecta. No Brasil, a última pesquisa do TIC Kids Online Brasil revelou que 79% das crianças e adolescentes entre 9 e 17 anos estão ativas na internet – número que representa 23,7 milhões de jovens, sendo que 85% deles acessam pelo celular.

Com os aparelhos móveis elas têm mais privacidade ao navegar online, sem necessariamente ter a mediação dos responsáveis. Daí surgem os perigos.

Para Rodrigo Njem, psicólogo e diretor de educação da ONG SaferNet Brasil, entre os principais problemas e riscos do uso da internet no ambiente escolar estão a “distração do aluno, cyberbullying (intimidação ou discriminação), exposição da intimidade e outras questões de privacidade, como roubo de dados”.

Um estudo divulgado ano passado pela NASUWT, um dos sindicatos de professores do Reino Unido, descobriu mais da metade dos professores estavam ciente de alunos que praticavam “sexting” (envio de imagens íntimas) dentro da escola. A maioria dos incidentes envolveu alunos de 13 a 16 anos, mas os professores disseram estar cientes da prática também na escola primária, com alunos de até sete anos. Metade dos docentes afirmaram que encontraram alunos usando mídias sociais para enviar insultos ou praticar bullying.

Cristina Sleiman, presidente da Comissão Especial de Educação Digital da OAB-SP, alerta que a internet permite ao aluno contatar pessoas que estão fora da escola. “Em caso de uso aleatório para comunicação externa, até aliciamento, a escola pode acabar responsabilizada. Por isso devem existir regras claras sobre o uso; eles têm que entender que é um risco para eles mesmos a não utilização adequada”.

Influenciando o ambiente 

Uma pesquisa pela London School of Economics mostra que, após as escolas proibirem os celulares, o desempenho dos estudantes melhorou. Mas especialistas acreditam que já não é mais possível ter um controle completo sobre os dispositivos.

“Se falamos em educação e desenvolvimento, você não poder proibir tecnologia, por isso o melhor caminho é educação digital: educar para que crianças e adolescentes saibam usá-la de maneira ética e segura”, diz Cristina.

Na Escola da Vila, instituição de ensino particular em São Paulo, alunos a partir do 6º ano podem levar o celular. Em alguns casos os dispositivos são incluídos em atividades escolares e contam com uma rede Wi-Fi livre para uso. Segundo Helena Mendonça, Coordenadora de Tecnologias Educacionais, há, porém, um controle para que eles não o utilizem durante a aula.

”Uma situação em que uma aluna posta uma foto inadequada de uma colega na rede social, por exemplo, ou um aluno acessa indevidamente a conta de outro, gera conflitos na escola. A partir dos casos que acontecem, propomos uma discussão e a equipe de orientação educacional acompanha os envolvidos e desenvolve campanhas que são direcionadas para toda a escola”, conta.

Problema global 

A importância da escola para a educação digital do aluno ganha força em todo o mundo. Em junho o Google lançou nos EUA o projeto “Be Internet Awesome” (“Seja Incrível na Internet”, em tradução livre), que consiste em uma plataforma informativa para pais e professores com princípios para uma internet segura. Para as crianças há um jogo interativo chamado “Interland”, em que elas devem combater hackers, phishers (golpistas online), oversharers (aqueles que compartilham informações em excesso na rede) e valentões, praticando as habilidades que precisam para serem bons cidadãos digitais. O objetivo é fazer com que os jovens tomem decisões inteligentes por conta própria.

De acordo com Sonia Livingstone, da London School of Economics and Political Science, mesmo que sejam nativas digitais, “crianças não necessariamente sabem tudo sobre como usar a internet”. Sonia afirma ainda que a visão dos adultos europeus mudou nos últimos anos, com uma maior percepção de que eles devem ser responsáveis por manter as crianças seguras na internet, mas que elas também devem desenvolver habilidades para se manterem seguras por conta própria.

A questão de uma idade mínima para a criança usar livremente a internet surge, então, naturalmente. Para Nejm um comparativo simples pode ajudar a responder a questão. “A criança tem capacidade de sair sozinha na rua? Ela já tem estabelecidos os parâmetros de segurança, de autocuidado e autoproteção? Ou ela ainda tem certa dependência? Se ela não tem maturidade para ficar sozinha no mundo real, o mundo digital é tão grande ou maior que o bairro onde ela mora. Pais e educadores precisam ter sempre essa referência”, diz.

Fonte: Gazeta do Povo

Valeska Andrade

Sobre Valeska Andrade

Formada em História pela Universidade Federal do Ceará e em Pedagogia pela Universidade Estadual do Ceará. Especialista em Cultura Brasileira e Arte Educação. Coordenou o Programa O POVO na Educação até agosto de 2010. Pesquisadora e orientadora do POVO na Educação de 2003 a 2010, desenvolveu, entre outras atividades, a leitura crítica e a educomunicação nas salas de aula, utilizando o jornal como principal ferramenta pedagógica. Atualmente, é professora de história da rede estadual de ensino. Pesquisadora do Maracatu Cearense e das práticas educacionais inovadoras. Sempre curiosa!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *