Fortaleza, a cidade do Sol, Paraíso do Turismo Sexual

Rossana Brasil: Advogada.

Fortaleza, Ceará, Brasil – Lamentavelmente, o que escrevo não traz nada de novo e apenas consolida a Capital cearense como a cidade do Nordeste com o maior índice de exploração sexual de crianças e adolescentes. No Brasil, superada apenas por Rio e São Paulo, segundo apuração do Playboy portuguesa. O repórter Carlos Tomás fez um roteiro pela orla passando pelo Mucuripe, Meireles, Beira Mar, Praia do Futuro e o Servi luz, alvo de polêmica hoje entre Governo e Prefeitura por conta do projeto estaleiro Pro mar. A matéria fala de tráfico humano e deixa um rastro de prejuízo para os esforços das autoridades em melhorar a imagem da cidade na Europa queria saber como já que nossas autoridades afirmam ser difícil combater o turismo sexual em Fortaleza Em Fortaleza, um turista foi flagrado levando quatro menores para uma noitada, e nada aconteceu, Mas ele foi convencido por educadores sociais a não cometer o crime. Há hotéis que tentam reprimir o turismo sexual, e nossos governantes que fazem? NADA… Somente fórum e debates inúteis… Isso è mostrar talvez serviço para eles. Como vem ai a nova moda para debates e fórum em relação ao CRACK, a estória se resolve sempre na mesmice nada x nada. Sensibilizar as partes envolvidas no processo de prostituição e exploração sexual de menores e adolescentes é um trabalho árduo e continuo, feito por várias entidades. No entanto, encontram-se várias barreiras. A pior delas é a não denúncia, o pacto do silêncio e a forte conivência dos locais.

Os pontos são conhecidos, não são surpresa para ninguém. Porém mobilizar a população para o enfrentamento do problema é, ainda, um trabalho difícil. Ninguém esta nem ai, cada um cuida do seu umbigo…

A mercantilizarão do corpo existem de uma forma muito às claras. A sensibilização a ser feita com as meninas, as famílias, os proprietários dos locais e os envolvidos é de tentar mostrar a eles que isso não é normal de forma alguma.

Quando as pessoas se recusam a falar e se fazem de cegas, elas estão omitindo a proteção. Graças ao artigo 214 do Código Penal, que trata dos crimes sexuais e do estupro vulnerável, e ao artigo 227 do Estatuto da Criança e do Adolescente, temos sido exitosos em muitas blitz e diálogos com donos de hotéis e restaurantes, principalmente na orla de Fortaleza. O turismo sexual infanto-juvenil é um tipo de exploração / violência que possibilita profundas agressões aos direitos fundamentais de crianças, adolescentes e jovens. Este fenômeno se caracteriza por transformar a finalidade do turismo em motivação sexual, ou seja, em vez da atração ser a diversidade cultural e ambiental do lugar visitado, serviços sexuais, sobretudo com crianças, adolescentes e jovens, passa a motivar o sentido da prática turística, envolvendo a “ação direta ou a omissão de uma ampla rede, como agencias de viagem e guiam turísticos, hotéis, bares, lanchonetes, restaurantes e barracas de praia, garçons e porteiros, postos de gasolina, caminhoneiros e taxistas, prostíbulos e casas de massagem, além da tradicional cafetinagem.” Muito embora hoje a linguagem publicitária seja multifacetada, existe ainda predominância no uso de mulheres como recursos para as peças de publicidade. A título de exemplo, para esta afirmação, a seguir, uma imagem encontra em um sítio eletrônico de um grande empreendimento turístico que tenta se instalar no Ceará, que para tanto agredir ambientalmente e sócio-culturalmente muitas comunidades tradicionais da zona costeira cearense. Os turistas em geral que visam à prática do turismo sexual em suas viagens ao Brasil são de classe média, com idade entre 20 e 40 anos, predominantemente italiana, seguida por portugueses, holandeses e norte-americanos, com isso não quero dizer que os Brasileiros são santinhos. O turismo sexual, como atividade enquadrada no contexto da indústria sexual (aquela que dispõe da comercialização de materiais sexuais, como vídeos, produtos eróticos, entre outros), exige um perfil, das vítimas exploradas, corresponde à infância e à juventude, tendo em vista que esta indústria construiu os seus vários significados de beleza, erotização e sexualidade sobre o signo de corpos jovens como ideal para sua prática de exploração.

O corpo jovem tem sido padrão e demandado no contexto da indústria sexual, desta forma explorado em dimensões avassaladoras, seja pela pornografia virtual, sejam em filmes, em revistas, seja na prostituição ou mesma na exploração sexual comercial.

Em pesquisa realiza pela Associação das Prostitutas do Ceará, com prostitutas acima dos 18 anos, 89% iniciou na atividade em faixas etárias que compreendem a adolescência e a juventude, revelando um perfil jovem no contexto das pessoas que iniciam prostituição e comprovando exploração sexual comercial.

Desta forma, a turismo sexual atinge em sua grande maioria crianças, adolescentes e jovens (estes últimos em maior proporção), em uma relação de extrema desigualdade, seja forma, seja psicológica, seja econômica (que explora é quem possui este poder). Ressalta-se que a prostituição adulta tem espaço na prática do turismo sexual, mas demanda prioritária perpassa pela exploração de corpos jovens. No velho ditado melhor duas de vinte que uma de quarenta… É preciso registrar que a exploração sexual comercial ou mesmo o abuso sexual contra crianças, adolescentes e jovens são práticas recorrentes ao longo de diversos tempos históricos. O que é demarcado no tempo é a visibilidade com que este tema é colocado para a sociedade discutir, ou seja, a tolerância social, o significado que a sociedade dá a este fenômeno. A visibilidade da exploração sexual comercial, do abuso sexual ou do turismo sexual serviu para que a sociedade passasse a exigir que este problema fosse / seja tratado como agressão aos direitos de crianças, adolescentes e jovens, logo enfrentado no sentido de erradicar,mesmo assim vamos lutar e nada de debates e bla,bla bla…

(Artigo enviado pela Dra. Rossana Brasil).

Marcos Duarte

Sobre Marcos Duarte

Advogado, Presidente da Comissão de Direito de Família da OAB Ceará. Presidente da Revista Jurídica Leis&Letras. Diretor do Instituto Proteger. www.advocaciamarcosduarte.com

Um comentário sobre “Fortaleza, a cidade do Sol, Paraíso do Turismo Sexual

  1. BOA TARDE, EU COMO CEARENSE QUE AMA ESSA CIDADE, ESSE ESTADO TÃO LINDO CHEIO DE RIQUEZAS CULTURAIS, NATURAIS, NÓS PODEMOS DIZER QUE VIVEMOS REALMENTE NO PARAISO, MAIS AO MESMO TEMPO HOJE A NOSSA CIDADE FORTALEZA ESTA TOMADA PRINCIPALMENTE DE TURISTAS ESTRANGEIROS QUE VEM PARA A NOSSA CIDADE UNICA E ESCLUSIVAMENTE ATRÁS DE SEXO E PROSTITUIÇÃO, A REGIÃO DA AVENIDA BEIRA-MAR, MEIRELLES, PRAIA DE IRACEMA QUE SÃO CARTÃO POSTAL DA NOSSA CIDADE, ESTÃO TOMADAS DE GRINGOS, PROSTITUTAS E BANDIDOS, TEMOS QUE TOMAR ALGUMA PROVIDENCIA, AS AUTORIDADES DESSE ESTADO PRECISAM AGIR DE FORMA DURA E EFICAZ; HOJE FORTALEZA É UMA DAS PRINCIPAIS ROTAS INTERNACIONAIS DO TURISMO SEXUAL, PRINCIPALMENTE DE ITALIANOS E PORTUGUESES, É MUITO TRISTE AGENTE ESTAR LÁ FORA E ESCUTAR O QUE AGENTE ESCUTA DESSA CIDADE, A SOCIEDADE CIVIL PRECISA SE MOBILIZAR ; A COPA DO MUNDO ESTÁ CHEGANDO E A TENDENCIA É A SITUAÇÃO PIORAR.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>