Compulsões: a vida que não satisfaz

Todos querem ser felizes. Todos buscam bem-estar e satisfação. Mas nem sempre temos sabedoria para buscá-las na fonte certa.
 
Nosso orgulho e autossuficiência, nossa teimosia em fazer a vida funcionar do nosso jeito, muitas vezes nos levam por caminhos de destruição, a lugares escuros, tristes, sem vida.

“Há caminhos que parecem certos, mas podem acabar levando para a morte.” (Provérbios 14:12)

 Assim, infelizmente, na maioria das vezes, as coisas para as quais nos voltamos não podem satisfazer nossas necessidades, mesmo as mais legítimas, ou nossos anseios mais profundos. Apenas nos fornecem um falso bem-estar e satisfação, nos tornando dependentes de comportamentos, substâncias ou pessoas.

“O meu povo cometeu dois crimes: eles me abandonaram, a mim, a fonte de água viva; e cavaram as suas próprias cisternas, cisternas rachadas que não retêm água.” (Jeremias 2:13)

Essa dependência é conhecida como compulsão: hábito ou comportamento repetitivo,  praticado de forma quase automática e irresistível, visando alguma gratificação emocional, normalmente um alívio da ansiedade e/ou da angústia. Mesmo percebendo que o hábito ou comportamento é prejudicial ao seu bem-estar e mesmo tendo a intenção consciente de refrear-se, a pessoa não consegue evitar fazê-lo, daí a compulsão. Existem dois tipos de dependências:

– as drogodependências ou dependência química (cocaína, álcool, heroína)
– as dependências sem substância, de natureza psicológica, conhecidas por comportamentos compulsivos (sexo, jogo, compras, comida, internet, trabalho, atividade física, dentre as mais comuns).
 
 Embora nem todas sejam iguais, as consequências podem ser igualmente graves e perigosas em todos os casos. As dependências, mesmo as sem substâncias, tendem a ser crônicas por razões tanto neurobiológicas quanto psicológicas. Ou seja, não podemos voltar a consumir a substância da qual desenvolvemos uma dependência ou agir com base num mau hábito que se tornou compulsivo, porque retornamos rapidamente aos padrões anteriores de consumo ou de conduta.

 As causas das dependências psicológicas geralmente são ansiedade, angústia, depressão, medo,  solidão, vazio existencial, baixa autoestima, timidez ou fobia social, com déficit nas relações sociais, carência afetiva e sentimentos de rejeição.
 
 Assim, o que começa com a procura de algo para escapar da dor de perdas, frustrações, desilusões, conflitos, ansiedade, pode acabar em mais sofrimento.

“… pois o homem é escravo daquilo que o domina.”  (2 Pedro 2:19b)

 Mas há esperança de liberdade para quem se tornou escravo de uma compulsão! Esta esperança surge quando passamos a acreditar que Deus tem o poder de restaurar nossa sanidade perdida.

“Na minha angústia clamei ao Senhor; e o Senhor me respondeu, dando-me ampla liberdade.” Salmos 118:5
“O temor do Senhor conduz à vida: quem o teme pode descansar em paz, livre de problemas.” Provérbios 19:23

Para saber mais sobre Compulsões, confira palestra aberta ao público, nesta SEXTA-FEIRA, dia 21, às 19:30, no Colégio Kerigma, à R. Oswaldo Cruz, 3401 (esquina com Tibúrcio Frota), Dionísio Torres.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *