A terrível necessidade de dominar o (meu) mundo

tumblr_lzfqjoSitw1rpoocxo1_1280

Prazer, sou a garota das listas. Vivo cercada por check list: itens de supermercado, livros lidos, livros para ler, séries e filmes, atividades do dia, da semana, metas do ano, etc, etc, etc… A verdade é que sinto uma felicidade enorme e estranha em riscar cada um desses itens das listas assim que concluo. Antes de cada férias, eu pesquiso sobre roteiros, restaurantes, pontos turísticos. Planejo meticulosamente o trajeto que vou seguir no dia a dia e pasmem, as vezes planejo na minha mente (agenda) o dia inteiro. Sinto calafrios e um súbito desespero quando algo sai do controle.

Sou uma pessoa muito organizada? Pode ser. Paranoica? É bem possível. Ansiosa? Certamente. Mas de uma coisa eu tenho certeza… tenho uma necessidade enorme de controlar o “meu mundo”. Para as pessoas espontâneas e desencanadas o que eu estou falando não faz sentido algum, mas se de alguma forma você se identificou com uma das coisas que eu citei… seja muito bem-vindo(a) ao meu mundo certinho, onde tudo está sempre sob controle.

Planejei por anos boa parte da minha vida: o momento ideal para começar a namorar, a melhor fase para me casar, o tipo de emprego que teria, o tipo de marido que queria, enfim, quase o roteiro de um filme. Não pensem que é fácil para mim falar isso para vocês, demorei muito tempo para admitir que sou uma pessoa controladora, porém um tempo maior ainda em admitir que eu não tenho nada sob controle, que o planejamento só me passa uma falsa sensação de controle. Não sei se sou ansiosa por ser metódica ou se sou metódica porque sou ansiosa mas o fato é que achar que tenho o controle das coisas funciona como um analgésico para minha ansiedade.

tumblr_lo54v7b5HL1qgl3s5o1_500

A primeira grande tragédia pessoal

Por algum tempo me apeguei ao fato de que ser cristã me dava privilégios em relação a outros mortais. Acreditava piamente que mal algum chegaria a minha tenda, NENHUM. Achava que ser cristã me deixava imune as intempéries da vida, afinal de contas eu era uma escolhida e assim por algum tempo eu deixei as minhas preocupações e por consequência as minhas listas de lado, a sensação de segurança pairou sobre minha vida e enfim eu pude descansar, por muito pouco tempo, até surgir a minha primeira grande tragédia pessoal pós conversão: meu pai sofreu um enfarto e ficou muito mal.

Bom, aí eu tinha algumas opções a pensar:

  • 1°: Deus estava me castigando por eu não ser uma boa menina (mas na minha cabeça eu realmente parecia ser uma pessoa legal!!!);
  • 2°: Deus não existe ou Ele é mal e faz coisas ruins a pessoas boas que eu amo;
  • 3°: Deus é bom, não estava me castigando, porém eu não tinha esses privilégios de imunidade ao sofrimento que haviam me dito que eu teria pelo fato de ser cristã.

Eu confesso que essas três hipóteses passaram pela minha mente e me apeguei por um tempo a cada uma delas, mas eu aceitei o fato que se o sol nasce e a chuva cai sobre todos, coisas boas e coisas ruins me aconteceriam independente do fato de ser cristã. E lá se foi o controle de todos os fatos de minha vida de novo.

Então tive uma nova ideia. Decorei alguns versículos chave que supus que me dariam algum alívio:

  • Lançando sobre Ele a sua ansiedade porque Ele tem cuidado de vós. (I Pe 5.7)
  •  Não andeis ansiosos por coisa alguma; antes em tudo sejam os vossos pedidos conhecidos diante de Deus pela oração e súplica com ações de graças. (Fp 4.6)
  • Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal. (Mt 6.34)

Usava esses versículos como amuletos, como uma espécie de mantra espiritual que iria me tranquilizar quando as coisas fugissem ao meu controle e fazer tudo voltar ao normal, mas a verdade é que eu ainda não havia entendido ou não queria aceitar o real sentido deles, que eu não tenho o controle de absolutamente nada na minha vida, e que isso não é motivo para eu desmoronar toda vez quer algo dá errado. Quando algo sai do controle é motivo sim para eu confiar no amor de Deus por mim.

Não como antes, que Eu fazia dele um tipo de escudo magnético contra coisas que me faziam sofrer, mas sim como um pai amoroso, que não sai do meu lado quando eu estou sofrendo, e que enxuga cada uma de minhas lágrimas. Não como um autoritário carrasco que está a espreita de qualquer erro meu para me punir duramente, mas como um pai disposto a me ensinar com meus erros e me ajudar a amadurecer em minha caminhada aqui na terra apesar das circunstancias que passo.

Um caminho chamado ‘aprendizado’

Não está sendo um aprendizado fácil para mim. É doloroso, me tira de minha zona de conforto e me faz questionar muitas verdades nas quais eu acreditava. Ainda faço minhas adoráveis e tranquilizantes listas, e as vezes aquela que quer controlar tudo ao meu redor ainda fala mais alto que aquela que quer simplesmente viver um dia de cada vez, mas de uma coisa eu posso ter certeza, hoje eu confio muito mais no amor e no cuidado de um Deus Pai que na proteção de um deus escudo mágico.

E quero aproveitar e fazer um convite aqueles, que como eu, sentem o desejo de controlar todos os fatos do dia a dia, convido-os a embarcar numa aventura de uma vida imprevisível, as vezes divertida e as vezes triste, mas com a certeza de que jamais estaremos sozinhos nessa jornada desconhecida.

Vamos juntos?

Por Cida Pessoa (Uma seguidora de Jesus em processo de restauração celebrando a cada dia o dom da vida e o perdão dos meus pecados.)

Retirado do Blog minhavidacrista.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *