Roger Moore e 007 – do melhor ao pior

Sean Connery, George Lazenby, Roger Moore, Timothy Dalton, Pierce Brosnan e Daniel Craig. Nascido nas páginas de romances e novelas de Ian Fleming, James Bond, o agente secreto mais famoso do mundo, já ganhou 24 adaptações oficiais, duas não-canônicas e um sem-número de paródias. E ninguém, em toda a história, vestiu o terno bem cortado, […]

Continue lendo

“O Rastro”: quando o cinema de gênero tropeça

De um lado, “O Rastro” propõe um thriller onde a corrupção é a vilã – num timing perfeito para a política brasileira. Do outro, uma viagem fantasmagórica de horror sobre culpa. Em teoria, dois vieses originais e interessantes para uma obra. Na prática, a falta de equilíbrio entre um e outro gêneros acaba desperdiçando uma […]

Continue lendo

“Rei Arthur: A Lenda da Espada”: uma ousadia que se perde

Com nove longas-metragens na carreira, o inglês Guy Ritchie consegue pender entre obras únicas e marcantes, como “Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes” (1998), e filmes absolutamente indefensáveis, como “Destino Insólito” (2002). O que há de inegável é a assinatura, principalmente estética, do diretor. A montagem ágil, com flashbacks entrecortados por ação, é uma marca […]

Continue lendo

“Quem é JonBenet”: sem cair no clichê

Documentários que exploram casos de assassinato são, quem sabe, os campeões em número de produções audiovisuais nos Estados Unidos. Indo desde investigar a fundo os casos, até existindo pelo mais puro sensacionalismo, tais obras mostram que o fascínio do público estadunidense por esse tipo de material parece não ter fim. O próprio vencedor do Oscar de Melhor Documentário deste ano, “O.J: Made in America”, é um retrato dessa característica.  

Continue lendo

“Corra!”: o monstro invisível

Mais real que assombrações em forma de palhaço; mais aterrorizante que uma casa na colina e com mais vítimas que qualquer assassino mascarado, o preconceito racial ganha a forma de uma família suburbana em “Corra!”. Utilizando o racismo como antagonista da obra, o filme é o primeiro fenômeno do horror de 2017. Rasgando críticas positivas por onde passa, há aqui um vilão ao mesmo tempo invisível e palpável em todas as cenas. Continue lendo

“Silêncio”: quando a resposta nos vem muda

Existem diversas dimensões no trabalho da Companhia de Jesus no século XVII. Ferramenta de propagação da fé, os jesuítas eram também braço armado do papa e uma estratégia de expansão mercantilista. Uma religião única era forma de se domar interesses. “Silêncio”, nova obra de Martin Scorsese, é mais que um épico de fé, é um encontro […]

Continue lendo

“A Mulher que Se Foi”: a longa duração como proposta estética

Por mais que seja justo, é triste que a longa duração dos filmes de Lav Diaz puxem praticamente todas as discussões sobre o cinema do filipino. Mas é natural quando “A Mulher que se foi”, sua obra mais recente, se mostra um dos filmes mais curtos da carreira de Diaz, totalizando 226 minutos – lembrando […]

Continue lendo

“Hot Girls Wanted: Turned On”: por trás do tesão

Lançado pela Netflix em 2016 sob relativo alarde do público e da crítica, o documentário “Hot Girls Wanted” pega como mote principal a indústria pornográfica voltada para atrizes iniciantes. Sem experiência alguma no ramo e com idades entre 18 e 21 anos, o filme mostra as jovens ingressando em um mundo de ganhos rápidos, mas que rapidamente se mostra uma ilusão. Continue lendo

“Alien: Covenant”: o auge do humano

Mesmo hoje, “Alien: o Oitavo Passageiro” (1979), de Ridley Scott, se mantém como uma das obras mais impactantes da história. Para além de ter o herói de ação mais completo do cinema, a tenente Ellen Ripley, a ficção científica de horror cria uma atmosfera única, uma criatura grotesca e assustadora e tem uma das direções […]

Continue lendo

“Melhores Amigos”: as várias camadas de leveza

Uma grande, e rara, qualidade no cinema de Ira Sachs é a compressão. De forma simples, delicada, ele consegue juntar uma série de temas e sentimentos em obras que se mantém leves e divertidas. Por mais que exista um peso temático imposto pela complexidade das discussões, Sachs mantém o fluxo limpo de uma experiência cinematográfica. […]

Continue lendo