“A Vigilante do Amanhã: Ghost in the Shell”: anime ilustrado

Para amantes de cultura japonesa, “Ghost in the Shell”, de Masamune Shirow, figura sempre na lista de obras essenciais. Com um design robusto de um futuro próximo onde o limiar entre humanos e máquinas foi estreitado, a obra une a atmosfera cyberpunk com uma história sobre o que torna alguém um ser humano de fato. […]

Continue lendo

“A Tartaruga Vermelha”: animação contemplativa

Longe de ser um gênero, animação é uma amor expresso em traços. Extremamente trabalhoso e com um escopo amplo e únicos, os filmes animados podem verter para qualquer corrente que se puxe. A regra atual costuma pender para a comédia com traços dramáticos, uma fórmula imortalizada pela Pixar. Hoje em dia, as princesas Disney correm […]

Continue lendo

“T2 Trainspotting”: (quase) nada novo, (quase) nada errado

Era 1996 e dos confins da Escócia um filme explorou um estilo autodestrutivo de vida com imensa ousadia visual e um senso de humor que beirava o doentio. Em seu segunda longa metragem, o inglês Danny Boyle apostava em uma montagem ágil e intervenções gráficas pontuais para pintar a psicodelia e decadência na vida de […]

Continue lendo

Power Rangers (2017) é uma eficiente atualização do clássico

Quando Mighty Morphin Power Rangers ganhou sua primeira versão no cinema, em junho de 1995, a série de TV já tinha uma mitologia estabelecida e até havia passado por grandes mudanças no elenco. Quase 22 anos depois, o Super Sentai criado por Haim Saban é reimaginado, do zero, em um momento obsessivo pela nostalgia. Da […]

Continue lendo

“Personal Shopper”: o passado que perdura

Soa inusitado sem, de fato, ser, mas uma das parcerias mais frutíferas do cinema mundial hoje reúne o cineasta Olivier Assayas e a atriz Kristen Stewart. Não foi o francês quem descobriu o talento da norte-americana, que parecia perdida na falta de qualidade da saga “Crepúsculo” (2008-2012). Antes disso, ela já mostrara talento no thriller […]

Continue lendo

“Fragmentado”: precisamos falar sobre Kevin

Nas ruas escuras de sua cidade, Kevin leva uma vida tranquila. Em seu ateliê particular, o aspirante a estilista Barry cria as próximas tendências da moda. Com apenas nove anos, Hedwing tem como hobby ouvir hip-hop e olhar pela janela de seu quarto. Já a controladora Patricia comanda sua casa com pulso firme. Pessoas diferentes, mas todas unidas pelo rosto de James McAvoy, protagonista do mais novo sucesso do indiano M. Night Shyamalan. Continue lendo

Saiba o que estreia na Netflix em abril

A Netflix divulgou a lista das principais estreias do mês de abril, incluindo a série original Dear White People, que causou certo alvoroço por critica o racismo. Série é baseada no filme homônimo de 2014. A segunda parte de The Get Down e a terceira temporada de Better Call Saul também chegam à plataforma no […]

Continue lendo

“Punho de Ferro” é golpe baixo nos espectadores

Aqui temos Danny Rand mostrando o estilo chinês de combate com espadas para alunos de Kendô, uma arte marcial japonesa.

O texto contém spoilers da temporada, incluindo de seu episódio final.

Com planos ambiciosos de formar uma das principais equipes da Marvel no mundo das séries, a Netflix surpreendeu a todos quando, em 2015, lançou a primeira temporada de “Demolidor”. Com um tom sério pouco visto em produções semelhantes, como “Arrow” e “Flash”, a série foi sucesso instantâneo, recebendo uma segunda temporada no ano seguinte e antecipando o lançamento das outras histórias dos futuros companheiros de Matt Murdock, os heróis Jessica Jones, Luke Cage e Punho de Ferro. Juntos, eles compõem a equipe dos “Defensores”, cuja série própria está marcada para estrear no segundos semestre de 2017.   Continue lendo

“Fragmentado”: um monstro no divã

Um bom diretor de cinema precisa de explicações lógicas para cada plano que filma. Soa banal, mas filmar uma psicóloga indo a um museu encarar uma pintura de Paul Cézanne após uma sessão de psicoterpia confusa revela mais sobre os objetivos do longa do que muitas curvas no roteiro. Com esse vislumbre rápido de uma […]

Continue lendo

“A Bela e a Fera”: Castelos decadentes, sentimentos crescentes

A primeira pergunta que a versão live-action de “A Bela e a Fera” precisa sempre responder é: existe razão para o filme existir? Narrativamente, ela é quase nula. A construção é praticamente idêntica e o romance segue o mesmo ritmo da animação de 1991. Agora, aproveitando os temas propostos e os subtextos já indicados, a […]

Continue lendo