Dilma acolheu pauta neoliberal, mas tucanos querem mesmo é inviabilizar Lula para 2018

Da Coluna Valdemar Menezes, no O POVO deste domingo (7):

A aposta insensata na conflagração do País continua, apesar de Dilma Rousseff ter acolhido pontos da pauta neoliberal demotucana e pedir prioridade e consenso para eles. Rejeitá-los é uma incoerência dos neoliberais.

Mas estes prefeririam dar prioridade à destruição da imagem do ex-presidente Lula para inviabilizar sua eventual candidatura em 2018. Não veem a imprudência de tirar de cena a liderança que tem sido o principal fator de moderação da disputa política brasileira e de impedimento de que esta descambe em violência, desde a redemocratização.

Lula, evidentemente, não está acima da lei, e se devesse alguma coisa, teria de pagar. Mas, para isso, as acusações teriam de ser bem fundadas e as investigações se processarem dentro das garantias consagradas pelo Estado Democrático de Direito, sobretudo, a presunção de inocência e o contraditório.

Não é o que está acontecendo: ele tem sido alvo de vazamentos seletivos e prejulgamentos – tudo açulado por uma poderosa máquina de detratação prévia.

Polícia aguarda motorista de buggy no acidente que matou criança em Aquiraz

A Polícia ainda aguarda a presença do motorista que conduzia o buggy que virou nesse sábado (6) nas dunas da Prainha, em Aquiraz, na Região Metropolitana de Fortaleza. No acidente, um menino de 8 anos de idade morreu. Os pais da vítima e uma menina de 9 anos tiveram ferimentos, mas não correm risco de morte. A família é de Pernambuco e veio a Fortaleza para passar o carnaval.

Segundo a família do motorista do buggy, que é credenciado para esse tipo de atividade, ele não teria fugido do local do acidente. Teria ficado nas dunas até o socorro às vítimas. De acordo ainda com a família, o motorista teria sofrido ferimentos na perna e estaria em atendimento médico.

Há 115 anos nascia a sambista Clementina de Jesus

frases clementina de jesus

BB anuncia para março retirada de circulação dos cartões de benefícios sem chip

Cerca de 2,3 milhões aposentados ou pensionistas começaram a receber seus novos cartões com chip do Banco do Brasil. A instituição informou que tomou a iniciativa de trocar os cartões dos beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que não têm conta corrente no banco para ampliar a segurança.

Até o momento, aproximadamente 40% dos beneficiários já realizaram a mudança. A instituição iniciará a retirada de circulação dos cartões sem chip no próximo mês.

A troca é gratuita. Os novos cartões estão disponíveis nas agências onde o benefício do aposentado ou pensionista está vinculado. Ao acessar o caixa eletrônico, o beneficiário receberá a orientação sobre a troca do cartão.

Para obter mais informações ou esclarecer dúvidas, os beneficiários podem ligar para o Serviço de Atendimento ao Consumidor, pelo telefone 0800 729 0722. De acordo com o Banco do Brasil, o atendimento funciona 24 horas, em todos os dias da semana.

(Agência Brasil)

Congresso promulga dia 18 emenda que abre janela para troca de partidos

Será promulgada em 18 de fevereiro, em sessão conjunta do Congresso Nacional, a emenda constitucional que abre “janela” para troca de partidos sem perda de mandato. De acordo com o texto (PEC 182/07), os detentores de mandatos eletivos poderão deixar os partidos pelos quais foram eleitos nos 30 dias seguintes à promulgação da emenda.

A desfiliação, no entanto, não será considerada para fins de distribuição do dinheiro do Fundo Partidário e do acesso gratuito ao tempo de rádio e televisão.

A medida fez parte da proposta de emenda à Constituição que trata da reforma política já aprovada pelos deputados. O restante do texto, que prevê medidas como o fim da reeleição para cargos do Poder Executivo, ainda vai ser examinado no Senado.

(Agência Câmara Notícias)

Laurinha completa neste sábado dois anos de vida e ainda não despertou

foto campanha acorda laurinha

A menina Laura Praciano Cruz, a Laurinha, completa neste sábado (6) dois anos de vida e ainda não despertou desde o nascimento. Laurinha vive hoje na casa da avó, onde uma UTI foi montada. A menina teria ficado sem oxigênio no momento do parto, desde que a hora do falecimento da mãe Paula Teixeira Praciano, que teria sido vítima de choque anafilático, após ser medicada com kefazol.

O caso de Laurinha ficou conhecido nas redes sociais, por meio da campanha #AcordaLaurinha, quando mais de 100 mil pessoas torcem pelo despertar da menina.

Igreja e Justiça lutam contra o abandono de bebês com microcefalia

A Igreja Católica e os juízes da Vara da Infância e da Juventude de todo o país estão tentando convencer as famílias que tiveram casos de bebês com microcefalia a não abandonarem os recém-nascidos. A Igreja também tem incentivado as grávidas a não abortarem nos casos de confirmação da microcefalia.

Para o cardeal dom Odilo Scherer, arcebispo de São Paulo, um bebê, embora tenha suas limitações, pode ter certa autonomia. É uma pessoa que terá alegrias na vida. Então, acolher esse ser humano com suas limitações e encarar como uma missão a ser acompanhada durante toda a vida.

(com agências)

No Carnaval, ninguém é de ferro

foto acrísio 160206 blitz carnaval

Eis o assessor especial de Acolhimento aos Movimentos Sociais do Governo do Ceará e vereador de Fortaleza, Acrísio Sena (PT), com amigos do bairro Antonio Bezerra, após participar neste sábado (6) da blitz do Carnaval da Paz.

Na foto, identificamos o coronel Maranhão, com a camisa do Fortaleza, e o tradicional Bodim, em pé, ao lado de Acrísio.

Bom Carnaval a todos!

A hora certa de protestar

Em artigo no O POVO deste sábado (6), o jornalista Ítalo Coriolano comenta do protesto contra o alerta de Dilma Rousseff sobre o Aedes aegypti. Confira:

Ao longo de 2015, a presidente Dilma Rousseff (PT) foi alvo de uma série de protestos, seja em passeatas nas ruas, seja em panelaços residenciais. Tudo dentro da ordem democrática. Afinal, o governo cometeu muitos erros, é corresponsável pela crise que acomete o Brasil atualmente, e nada mais natural do que ver toda essa insatisfação se manifestar das mais variadas formas. Mas, como para tudo nessa vida, há limites, que parecem terem sido extrapolados na última quarta-feira, 3.

Depois de meses sem aparecer em cadeia nacional, exatamente para evitar um desgaste maior à sua imagem, a presidente decidiu fazer um pronunciamento para alertar a população sobre os riscos do vírus zika, provável causa do surto de microcefalia que assusta o País e o mundo, e pedir a união de todos no combate ao mosquito transmissor dessa e de outras doenças, como a dengue e a febre chikungunya. Contudo, em vez de prestar atenção no que a petista tinha a dizer, algumas pessoas preferiram fazer barulho com seus utensílios domésticos, numa clara demonstração de insensibilidade com o grave quadro provocado pelo Aedes aegypti.

Diferentemente das outras vezes em que Dilma apareceu na TV, ela não estava ali para tentar se promover ou dar explicações capengas para as falhas de seu mandato. Deixou claro que não iria falar sobre política ou economia. O discurso era de interesse público.

Como chefe da nação, é sua responsabilidade mobilizar toda a sociedade contra um problema que ameaça a vida de milhares de recém-nascidos. Ciente do seu grau de impopularidade, ela não iria se expor a milhões de brasileiros se a situação não exigisse um chamamento geral como o feito há alguns dias. É preciso saber separar as coisas.

Há a hora de reclamar e exigir mudanças, mas também existe o tempo de refletir e reconhecer o esforço que está sendo feito. E, acima de tudo, colaborar. Atrapalhar o silêncio alheio no atual contexto não ajuda em nada. Vira uma iniciativa vazia e burra. Bandeira branca nessa guerra ideológica muitas vezes alimentada pelo ódio. Exercite o bom senso. O inimigo, ao menos agora, é outro. Reproduz-se no seu quintal ou na varanda do seu apartamento, e pode matar. Faça sua parte!

Acordo com Procon – Cobrança de aluguel de cadeira na Praia do Futuro

Da Coluna O POVO Economia, no O POVO deste sábado (6), pela jornalista Neila Fontenele:

As barracas de praia poderão cobrar por cadeiras de sol. Na quinta-feira houve uma reunião do Sindicato de Restaurantes, Bares, Barracas de Praia, Buffets (Sindirest) e da diretoria do Procon/CE para resolver os parâmetros dessas cobranças.

Ontem, em entrevista ao O POVO Economia, o diretor do Sindirest, Ivan Assunção, disse que a cadeira de sol é um serviço diferenciado, como é também a área de recreação de crianças menores ou guarda-volumes. Portanto, não se trata de cadeiras comuns. O pagamento serviria para a manutenção dos serviços.

Dentro da negociação com o Procon, segundo ele, ficou estabelecido apenas que as barracas devem deixar claro o que é serviço extra. Hoje é cobrado pelas cadeiras de sol nas praias de Fortaleza algo em torno de R$ 3 a R$ 10.

Presidente do Haiti deve deixar o governo neste domingo

Está prevista para este domingo (7) a saída do atual presidente do Haiti, Michel Martelly. O que deveria ser uma transição política comum, com a entrada de um presidente eleito, se tornou um imbróglio de desfecho desconhecido. Após uma série de protestos da população, o segundo turno das eleições presidenciais foi adiado mais de uma vez. Os haitianos suspeitam de fraude no processo eleitoral para beneficiar o candidato do governo, Jovenel Moise.

Martelly, no entanto, promete deixar o cargo mesmo sem um novo nome eleito para ocupá-lo. Um presidente provisório deverá assumir seu lugar, até que o processo eleitoral continue. Mas uma pesquisa divulgada em fevereiro pelo Instituto Igarapé, com sede no Rio de Janeiro, alimentou as suspeitas levantadas pela oposição e pela população. O estudo revelou que houve uma baixa presença de eleitores nas urnas no primeiro turno presidencial, destoando dos números oficiais.

Do total de entrevistados, 1.460 haitianos afirmaram ter registro para votar, sendo que 103 deles não tinham certeza se o registro eleitoral ainda estava válido, seja por terem se mudado, por nunca terem votado desde que tiraram o documento. A popularidade do candidato de oposição, Jude Celestín, retratada na pesquisa mostrou discrepância com o resultado oficial do primeiro turno das eleições.

Na pesquisa, 91% dos entrevistados declararam preferência a Celestín. No primeiro turno das eleições presidenciais, o candidato de Martelly, Jovenel Moise, obteve 32,76% dos votos, contra 25,29% registrados por Célestin.

Os números servem de combustível para a suspeita da população em relação às fraudes na eleição. Diante do resultado do primeiro turno, Celestín se recusou a participar do segundo turno. Grupos de manifestantes protestaram, bloqueando ruas, queimando pneus e veículos. A onda de violência atingiu o país e continuou após o adiamento do segundo turno.

(Agência Brasil)

A responsabilidade do voto

Em artigo enviado ao Blog, o advogado Irapuan Diniz de Aguiar alerta o eleitor contra falsas promessas de pré-candidatos a prefeito, que fogem às atribuições de um gestor municipal. Confira:

Com a aproximação das eleições municipais já começam as articulações partidárias e os ensaios para o lançamento de candidaturas a prefeito. A população precisa, por isso mesmo, ficar atenta às abordagens feitas pelos pretensos pré-candidatos. É que alguns costumam direcionar seus discursos para temas que, na verdade, não são da competência do município como, por exemplo, o desemprego e a segurança pública. Guiados, porém, pelas pesquisas de opinião pública que apontam estes dois problemas como os que mais afligem a comunidade, investem na conquista dos votos do eleitorado apresentando propostas e assumindo compromissos com os quais, sabidamente, não têm como honrar.

A eleição municipal tem natureza diversa das eleições nacional e estadual. Vale dizer, as grandes questões, como desemprego, inflação, crescimento econômico, segurança pública e outras, devem sair de cena para dar lugar a itens como buracos nas ruas, praças, parques, áreas de lazer, transporte coletivo, etc., numa discussão que envolva a direta participação da população para, aí sim, apresentar programas consistentes para seus equacionamentos.

Na área do desemprego há pouco que um prefeito possa fazer para diminuí-lo. Quem gera desemprego, ou emprego, é política econômica, atribuição esta do governo federal. Um candidato que proponha, portanto, resolver tal problema, desconfie-se. Onde mais um prefeito pode empregar é na própria prefeitura, mas isto não é criação de emprego – é empreguismo.

Em relação à segurança pública, este é um assunto que, pela Constituição, cabe aos Estados e, nos casos de contrabando e tráfico de entorpecentes, à União. Um prefeito pode, quando muito, contribuir para a segurança, através da iluminação pública ou cuidando do bom estado das ruas, praças e edifícios públicos. Mas de um candidato que apregoe ser capaz de assumir combate direto à criminalidade, desconfie-se. Será, muito provavelmente, um demagogo. Quando acrescenta que vai mobilizar a guarda municipal para a repressão ao crime, à demagogia soma a confusão. Se duas polícias, a civil e a militar, tal como se apresentam por dispositivo constitucional, já ocasionam conflitos suficientes, em razão da rivalidade e da imprecisão na divisão de competências, imagine-se o que pode acontecer com a entrada em cena de uma terceira.

Sem dúvida que há pessoas vocacionadas para a nobre função de prefeito. Pessoas que caem bem no papel designado por palavras tão em desuso como respeitáveis como burgo-mestre ou alcaide. Outras só estão de olho no cargo como trampolim para lançar-se ou relançar-se, a outras funções. Recomenda-se, assim, que o eleitor avalie se o candidato realmente tem disposição e gosto para as questões municipais.

Muito se ganharia se a eleição, nas grandes cidades, girasse em torno de uma abordagem do problema que evitasse as invenções mirabolantes e revelasse real vontade de resolvê-los. Uma tarefa digna de um bom prefeito seria, dentre outras, aperfeiçoarem a grave e desafiante questão do transporte coletivo. O ônibus é o maior símbolo de opressão aos pobres nos grandes centros urbanos. Gastar uma, duas ou mais horas para se deslocar de casa para o trabalho e vice-versa, em veículos inseguros e desconfortáveis, e chegar cansado, amassado e irritado: eis o calvário diário e inescapável da classe trabalhadora.

Dilma vê no Congresso dificuldade pela aprovação da CPMF

Da Coluna Política, no O POVO deste sábado (6), pelo jornalista Érico Firmo:

Na semana passada, o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner (PT), havia dito que a chance era de 90% de ele representar a presidente no Congresso. Mas, os planos mudaram.

A ida da presidente é termômetro do momento. No caso do governador Camilo Santana (PT) e do prefeito Roberto Cláudio (PDT), eles vão ao Legislativo num ambiente majoritariamente amistoso para eles. Como também era assim com Cid Gomes, habitué na Assembleia. Quando prefeita, porém, Luizianne Lins (PT) não era presença das mais constantes, salvo nas posses. Ela sofria oposição na Casa como nenhum dos demais citados teve ou tem.

A ida de Dilma tem natureza diferente da de Camilo e Roberto Cláudio. Quase oposta. Foi até lá, justamente, porque o momento é delicadíssimo e sua sustentação política é precária. Ela precisa fazer aceno ao Congresso do qual depende tanto para adotar as medidas pelas quais pretende recuperar a economia, quanto para manter o próprio mandato. E houve vários sinais a partir dali.

Dilma foi vaiada, principalmente, ao defender a recriação da CPMF. As vaias têm dupla simbologia. Uma é até positiva para o governo. Como representante da instituição Presidência, foi preservada. Isso confirma a fragilização da hipótese de impeachment. O embate se volta, realmente, para a economia. Essa é a má notícia para Dilma.

O governo conta e precisa da aprovação da CPMF. Colocou isso no Orçamento, como quem projeta o café da manhã com o ovo que a galinha ainda não pôs. Mas, a recepção no Congresso comprova quão difícil será a aprovação.

Outra má notícia: a pressão pelo impeachment pode estar menor, mas sobre a economia, não. Tanto que, na primeira votação importante, não conseguiu manter como pretendia o aumento do Imposto de Renda sobre ganhos de capital. As mudanças reduziram pela metade a expectativa de arrecadação. A política pode ser influenciada pelos humores sobre a economia. A ponto até de, talvez, reacender impeachment.

Sema fará blitz contra Aedes Aegypti no carnaval

A Secretaria do Meio Ambiente (Sema) aproveita o período carnavalesco para mostrar à população que folia e ecologia podem caminhar em harmonia. Tendo à frente a Coordenadoria de Educação Ambiental e Articulação Social (Coeas), serão realizadas ações inseridas na Campanha “Todos Contra o Mosquito”, cujo objetivo é conscientizar os foliões e a população da importância da prevenção e combate ao Aedes Aegypti, por meio de blitz  preventiva, com distribuição de mudas e material educativo.

O secretário do Meio Ambiente, Artur Bruno, estará à frente da mobilização no posto da Polícia Rodoviária Estadual (PRE), saída leste de Fortaleza (Aquiraz/Iguape), atingindo todo o fluxo com destino às praias do litoral leste, das 8h às 12h. Concomitantemente no Posto da PRE no “balão” da CE085 (estruturante), entrada de Paracuru, técnicos da Sema estarão realizando a mesma ação atingindo o público com destino ao litoral oeste.

Em parceria firmada com a prefeitura de Aracati, materiais educativos também serão distribuídos em sua orla. Segundo Bruno, “o período do carnaval é um momento de alegria e diversão. Nos quatro dias de folia, porém, é registrado o aumento no consumo exagerado de bebidas, alimentos, energia, água, dentre outros. Isto, gera uma grande quantidade de resíduos que causam poluição nas vias públicas dos municípios cearenses”.

A Secretaria do Meio Ambiente também se fará presente ao Festival de Jazz e Blues, recepcionando as pessoas na entrada do festival, com distribuição de material educativo sobre a Campanha “Todos Contra o Mosquito”, como também sobre a APA de Baturité. O projeto Pôr do Sol Cultural realizará uma pesquisa de demanda turística com os visitantes do Pico Alto e divulgará a Campanha “Todos Contra o Mosquito” e as ações realizadas pela Secretaria do Meio Ambiente na Gestão da Apa.

(Governo do Ceará / Sema)

Idosos deixam hidromassagem do Sesc por falta de conserto do sistema térmico

5sesc-fortaleza

Após três meses sem solução para o conserto da piscina térmica do Sesc do Centro (ao lado do mercado São Sebastião), idosos são obrigados a deixar a prática da hidromassagem por causa da água gelada.

Segundo a informação de um grupo de idosos, o equipamento térmico apresentou defeito ainda no ano passado e, desde então, a desculpa é que a peça para a reposição terá que vir de São Paulo.

De acordo ainda com os idosos, alguns ainda tentaram praticar a hidromassagem com a água gelada, mas tiveram piora no quadro de artrite.

O Blog tentou contato com o responsável pela hidromassagem, mas a portaria disse que está orientada apenas a informar que “não há previsão” para o conserto do sistema térmico. Antes de transferir a ligação para a portaria, o setor administrativo afirmou que não estaria sabendo do problema.

Pré-selecionados no Fies têm até este sábado para concluir inscrição

Os pré-selecionados para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) do primeiro semestre de 2016 têm até o último minuto deste sábado (6) para concluir a inscrição no Sistema Informatizado do Fies. O Fies oferece financiamento de cursos superiores em instituições privadas de ensino.

A pré-seleção dos estudantes assegura apenas a expectativa de direito à vaga. A contratação do financiamento dependerá da conclusão da inscrição no SisFies e do cumprimento das demais regras e procedimentos do programa. É de responsabilidade do estudante consultar os resultados e cumprir os prazos estabelecidos.

Nesta edição, o Fies ofereceu 250.279 vagas em 1.337 instituições de educação superior. Pode participar do processo seletivo quem fez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir de 2010 e obteve pelo menos 450 pontos na média das provas e nota acima de 0 na redação. O candidato precisa ainda ter renda familiar mensal bruta per capita de até 2,5 salários mínimos.

A taxa efetiva de juros do Fies é de 6,5% ao ano. O percentual de financiamento é definido de acordo com o comprometimento da renda familiar mensal bruta per capita do estudante.

Nesta edição, a oferta de vagas do Fies priorizou os cursos de engenharias, formação de professores e áreas de saúde. Além das áreas prioritárias, o Fies valorizou os cursos com melhores índices de qualidade em avaliação do Ministério da Educação.

(Agência Brasil)

Ceará tem o ‘Bloco das Obras Paradinhas’

Da Coluna Vertical, no O POVO deste sábado (6):

Tudo agora é Carnaval! Dentro do mote, caímos na folia de um bloco que ensaia, ensaia, mas não entra na avenida. Trata-se do “Bloco das Obras Paradinhas”.

Sob o enredo do “Me dá um dinheirinho aí”, tenta até dar adeus ao clima de “Pierrot Abandonado”, mas a crise, turbinada por adereços de inépcia ou falta de prestígio político, joga mico no sambódromo.

Nesse bloco, ala é o que não falta. Tem a Ala do VLT, do Metrofor, do Acquario, do Bilhete Único integrado ao Metrô, da Ponte Estaiada, das 80 creches, da Transposição, da Duplicação do Anel Viário, da ampliação dos Cucas, do Cinturão das Águas, das passarelas das BRs e, torcendo para abrir o desfile, a Ala do Hospital Regional de Quixeramobim que, construído e até inaugurado, continua no barracão.

Ah, nada de “Bandeira Branca”. Depois do festão, a cobrança tem que continuar.