CIRURGIÃO PLÁSTICO ERIK NERY FALA SOBRE IMPLANTE CAPILAR

Em entrevista exclusiva, direto do seu consultório no Pátio Dom Luís, cirurgião plástico Erik Nery (CRM 8266 / RQE 4797) fala sobre transplante capilar, um procedimento em evolução constante de técnicas, seguro e com resultado cada vez mais natural no tratamento da calvície.

ROBERTA FONTELLES PHILOMENO –  O que é o transplante capilar?

ERIK NERY – É um procedimento que possibilita a realocação de fios de cabelos da zona doadora (zona lateral e da parte de trás da cabeça) para ser implantados na zona receptora, através de estratégias que vão dar no final um resultado muito parecido com o natural.

RFP – Quando os primeiros sinais da calvície costumam aparecer?

EN- Em termos estatísticos, 80% dos indivíduos com tendência genética desenvolvem a calvície entre 24 e 26 anos, 15% apresentam os sintomas por volta dos 17 anos e apenas 5% tem que lidar com o problema após os 30. Isso quer dizer que os transtornos com quem se depara com a perda gradativa de cabelos podem ser evitados bem cedo e nem sempre há necessidade de se chegar a uma idade avançada para realizar o procedimento.

RFP – Quem pode realizar a cirurgia de implante capilar?

EN – Homens e mulheres. Depois dos 25 anos é quando a queda está quase estabilizada. Já para eles, a queda capilar é multifatorial, podendo ocorrer por fatores alimentares, doença autoimune, gestação ou mesmo por estresse.

RFP – Existem pessoas que não são indicadas para a cirurgia?

EN – Normalmente, pacientes muito jovens em período de queda, pessoas com doença autoimune, quem estão passando pelo processo de quimioterapia, e àqueles que convivem com a alopecia universal, patologia caracterizada pela ausência total de pelos no corpo.

RFP – Quais técnicas são utilizadas no procedimento?

EN – O Follicular Unit Transplantation (FUT) e o Follicular Unit Extraction (FUE). O FUT acontece a partir da retirada de uma faixa do couro cabeludo da área doadora do paciente. São selecionadas as unidades foliculares que serão implantadas em pequenos orifícios feitos na área receptora. Já o FUE retira as unidades foliculares uma a uma, diretamente do couro cabeludo. É bom ressaltar que o FUE é uma técnica que vem para complementar os casos em que o paciente necessita que uma grande quantidade de fios e tem uma densidade baixa. Ou seja, ele serve para agregar ao resultado.

RFP – Existe a possibilidade de ser retirar pelos de outras partes do corpo?

EN – Sim. Quando se trata da área doadora, pode ocorrer que ela seja pequena, com poucas opções de realocação, o que impossibilitaria que fosse feito o transplante para a área receptora. Contudo, graças às novas tecnologias é possível que se retire pelos de outras partes do corpo para serem incluídas no processo e, assim, trazer uma alternativa para essas pessoas. Por se trataram de pelos com formato, textura e crescimento diferenciados, são colocados em zonas que não serão percebidas, de forma a dar volume e não para darem definição ou refinamento.  São alocados, geralmente, na coroinha ou na parte de trás da cabeça. Tudo é feito no sentido de criar uma ilusão de ótica, o que dará naturalidade ao resultado.

RFP – Em quanto tempo o cabelo cresce após o transplante capilar?

EN – Os fios começam a aparecer de quatro a seis meses, após o implante. Com 12 meses já é possível vislumbrar o resultado final. Um profissional habilitado certamente proporcionará um resultado final muito parecido com o natural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *