Saiba como evitar alguns transtornos mentais na terceira idade

Paralelo ao envelhecimento do organismo, doenças mentais podem aparecer na rotina de pessoas acima dos 60 anos. Por isso, elas devem apostar em hábitos saudáveis para prevenir ou retardar fenômenos psíquicos

A terceira idade chegou e junto com ela alguns anseios são aflorados, como a solidão e o medo das mudanças físicas. O que era para ser um período de descanso e sem preocupações, pode ser marcado por doenças mentais. Conforme Jamille Carvalho, psicóloga da Unimed Fortaleza (CRP 11 – 06545), os transtornos mais comuns nos idosos são depressão e ansiedade. “Nessa fase da vida, a pessoa está mais suscetível a perdas, doenças crônicas e limitações físicas, o que pode favorecer o surgimento de algum transtorno mental”, explica.

Por sua vez, a depressão é o distúrbio que mais afeta a vida do idoso, pois o seu diagnóstico é mais complexo em virtude do processo de envelhecimento do organismo, que pode apresentar sintomas semelhantes ao da doença. “Os principais sintomas da depressão são desmotivação, lentidão ou agitação psicomotora, alteração no apetite, distúrbios do sono, irritabilidade e dificuldade de concentração, sendo capazes de aumentar os riscos de suicídio em casos mais severos.” De acordo com Jamille Carvalho, o transtorno pode ser desencadeado pelos seguintes pontos: fatores genéticos, perda de um ente querido e abandono. “Além disso, alguns medicamentos podem levar ao surgimento de sintomas depressivos”, completa.

Já nos transtornos ansiosos, é comum as pessoas apresentarem insônia, tensão, taquicardia, sudorese, tontura e formigamento. “Tais sintomas são desencadeados por uma percepção catastrófica das situações, com a antecipação de algo ameaçador”, afirma a psicóloga. Na terceira idade, o fenômeno pode estar ligado às limitações vivenciadas na velhice, podendo surgir percepções negativas quanto a si mesmo e às próprias capacidades, dificultando atenção, memória e raciocínio.

Para prevenir o surgimento dos dois problemas psicológicos, é importante estimular o uso das capacidades físicas e psicológicas da pessoa acima dos 60 anos, “através de jogos de memória, apoio familiar, prática regular de atividade física, por meio do resgate de atividades prazerosas e facilitadoras da autonomia e independência, e do desenvolvimento de novos relacionamentos”, garante Jamille Carvalho. Por outro lado, mesmo quando os distúrbios mentais já existem, é possível conviver com eles realizando o tratamento adequado, por meio de acompanhamento psicológico e psiquiátrico, uso de medicação e refeições saudáveis.

Independente do tipo de transtorno detectado é importante ressaltar que a pessoa não está reduzida a essa condição. “Por isso, é fundamental conhecer as limitações decorrentes da doença e buscar uma melhor qualidade de vida,” conclui a psicóloga.

Os impactos dos fatores genéticos
Segundo Inês Claudia, médica da Unimed Fortaleza (CRM 5347), os fatores genéticos de uma pessoa podem estar ligados ao surgimento da depressão na terceira idade. “O componente genético tende a aparecer quando a depressão surge ainda em idade jovem, tendo se prolongado até a vida adulta.” Caso contrário, quando a depressão surge apenas na velhice, a pessoa tem menos chances de aspectos genéticos interferirem na saúde mental. “Dessa forma, alguns fatores neurobiológicos podem desencadear a depressão de início tardio, como alterações hormonais e nos neurotransmissores”, ressalta.

Mitos e verdades
De acordo com Jamille Carvalho, existem alguns mitos e verdades relacionados à saúde mental. Confira abaixo os principais:

A depressão faz parte da velhice?
Mito. A depressão é uma doença que pode atingir qualquer faixa etária. Nem todo idoso vai apresentar esse transtorno no processo de envelhecimento. Vários fatores podem influenciar o surgimento da depressão, e a terceira idade não é o motivo determinante para o desenvolvimento da doença.

Os medicamentos para depressão podem ser usados por todos os idosos?
Verdade. Os medicamentos são fundamentais para o tratamento da depressão em idosos, mas precisam ser prescritos sempre considerando seus efeitos colaterais. Portanto, eles devem ser sempre prescritos por médicos, pois a automedicação representa grande perigo para saúde.

Os transtornos por uso de álcool ou outras substâncias é incomum na pessoa idosa?
Mito. Infelizmente muitas pessoas iniciam o alcoolismo após envelhecer, além de ser comum o uso abusivo de psicotrópicos.

A depressão é mais comum nas mulheres?
Verdade A depressão entre os idosos é duas vezes mais comum nas mulheres que nos homens. Entre outros fatores atribui-se ao maior tempo de luto e vulnerabilidades

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *