Você não é o seu dinheiro

3343_1226

Recentemente li uma pequena parábola no livro “O sucesso é ser feliz”, do Roberto Shyniashiki, que me fez refletir bastante sobre a prioridade que muitos de nós dão ao dinheiro.

 Um homem muito rico procurou certo mestre na Índia e, com muita arrogância, lhe disse: “Vou lhe dar mil moedas de ouro para construir seu templo”. O mestre, então, respondeu: “Por mim, tudo bem, aceito seu dinheiro”. Surpreso, o milionário continuou: “Você está louco, estou lhe dando mil moedas de ouro, quando é possível viver a vida inteira com uma só delas, e você diz que aceita como se estivesse me fazendo um favor?” Impassível, o mestre repetiu: “Tudo bem, não há problema, vou aceitar”.

 Furioso, o milionário arriscou: “Você é muito egoísta, quer me humilhar, não está valorizando o meu presente…”. O mestre respondeu: “O que você pensa que está me dando? Você destruiu a sua vida inteira por causa desse dinheiro. Agora quer me dar a fonte de todas as suas angústias e ainda espera que eu fique agradecido? Essa voracidade tem sido o seu câncer, tem corroído o seu estômago. Você quer me dar o seu câncer e ainda quer que lhe agradeça? Você é quem tem que me agradecer por aceitar a sua doença. Mas tudo bem, eu aceito”.

 Então o homem deu o saco de moedas ao mestre, que decidiu: “Agora que esse dinheiro é meu, pegue-o e jogue-o no fundo do rio”. Ao ouvir isso, o milionário ficou ainda mais desesperado: “Como pode jogar no rio o fruto de todo o meu sacrifício? Como despreza toda uma vida de luta?” E o mestre respondeu: “Você não é o seu dinheiro. Sua vida tem mais valor do que qualquer de suas conquistas”.

 Roberto Shinyashiki

 Essas são palavras muito fortes e impactantes. Essa parábola fala de uma série de coisas, mas a principal mensagem é sobre o significado de RIQUEZA. Para que uma pessoa seja verdadeiramente rica, ela precisa ser desapegada, ser despojada, e acima de tudo, ter EQUILÍBRIO. O homem dessa estória era extremamente ganancioso e arrogante, ele se achava melhor do que os outros, para na realidade, esconder o seu enorme complexo de inferioridade.

 Quando confrontado diretamente com a única coisa que ele achava que tinha de valor, levou uma enorme rasteira que o deixou no chão. O seu ego disparou ao extremo, pois ele colocava todas as suas fichas em seu dinheiro, um dinheiro que foi idolatrado. Seu dinheiro se tornou o seu Deus e a sua ruína.

 É fácil perceber as intenções deste homem, não eram intenções genuinamente bondosas, o que ele queria era ser vangloriado por ter doado uma enorme quantia em dinheiro. Ele agiu como os fariseus da época de Jesus Cristo.

 Sempre lembro de duas belíssimas passagens que reforçam o que estou dizendo aqui.

 Jesus sentou-se em frente do lugar onde eram colocadas as contribuições e observava a multidão colocando o dinheiro nas caixas de ofertas. Muitos ricos lançavam ali grandes quantias.

Então, uma viúva pobre chegou-se e colocou duas pequeninas moedas de cobre, de muito pouco valor.

Chamando a si os seus discípulos, Jesus declarou: “Afirmo que esta viúva pobre colocou na caixa de ofertas mais do que todos os outros.

Todos deram do que lhes sobrava; mas ela, da sua pobreza, deu tudo o que possuía para viver”.

Essa mulher deu apenas duas moedas, mas de coração, humildemente, na fé. Era uma mulher de fé inabalável. Enquanto os ricos davam muito dinheiro, que não fazia a menor diferença em seus bolsos, a mulher deu o que precisava para sua sobrevivência.

Doar o que sobra é muito fácil, difícil é você doar um dinheiro que pode prejudicar seu orçamento de alguma forma. Para fazer isso é preciso coragem e . Dois atributos que só são desenvolvidos por pessoas mais nobres, que buscam incessantemente o crescimento em sabedoria e amor.

A outra passagem é aquela que diz: “Onde está o teu tesouro, ali está também o teu coração”. O homem desta estória colocou seu coração no dinheiro e fez dele seu tesouro, e assim, deixou de desfrutar as maiores belezas desta vida, que estão na simplicidade, nas pequenas coisas, nas amizades, no carinho das pessoas que mais amamos.

É por tudo isso que o mestre diz ao final: Sua vida tem mais valor do que qualquer de suas conquistas”. Com essas palavras, ele queria dar uma chance de aquele homem recomeçar sua vida por outro caminho, mas pelo que se percebe, isso provavelmente não aconteceu, porque ele era extremamente apegado ao seu dinheiro. Aqui quero salientar uma passagem bíblica que pouquissimas pessoas compreendem seu significado. Uma das passagens que a interpretação é mais distorcida.

É mais fácil um camelo entrar por um buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus”.

A grande maioria das pessoas interpreta essa passagem como se ser rico financeiramente seja algo ruim, como se Jesus estivesse condenando quem ganha muito dinheiro. Isso é uma falácia sem medidas. Jesus nunca condenou quem ganha muito dinheiro. Nada disso! Ele questionava as pessoas GANANCIOSAS, pois elas sempre querem mais dinheiro, e querem tudo para si. Se você ganha rios de dinheiro, mas é alguém generoso e desapegado, essa riqueza material é uma bênção, e pode fazer bem a milhões de pessoas. Um ótimo exemplo é o empresário Bill Gates, que dedica toda a sua vida a trabalhos sociais e filantrópicos, um homem incrível e que pode ser uma referência na vida de todos aqueles que querem fazer diferença nesse mundo.

Jesus, nesta passagem, está falando de pessoas como o homem desta estória, que destruiu a sua vida por causa do dinheiro e não consegue se desprender dele de maneira nenhuma. Esse são os ricos que ele fala, que na verdade não são ricos, são pobres. Estão famintos por alegria, felicidade, propósito, sentido de vida.

Que você reflita e busque esse crescimento em sabedoria. Saiba que o dinheiro é importante sim, mas você não pode colocá-lo como sendo o seu Deus. Ele é apenas uma ferramenta para se ter uma vida tranquila e confortável, não algo para ser adorado.

Lembre-se sempre: Sua vida tem mais valor do que qualquer de suas conquistas”…

Isaias Costa

Sobre Isaias Costa

Isaias Costa. 28 anos. Sou Bacharel em Física e Mestre em Engenharia Mecânica. Descobri o meu amor pela escrita nas dificuldades que passei no meu caminho, aliado ao prazer de ler sobre Filosofia, Psicologia e Teologia.
Este blog trata de assuntos em sua maioria filosóficos, com o objetivo de nos fazer pensar e se questionar sobre as grandes questões da vida.

Também escrevo nos blogs “Para além do agora” e “Universo de Raul Seixas”.
www.paralemdoagora.wordpress.com
www.universoderaulseixas.wordpress.com

Sejam todos bem-vindos ao “Artesanato da mente”…

3 thoughts on “Você não é o seu dinheiro

  1. Muito boa reflexão a respeito do dinheiro. Parabéns
    Conheço uma pessoa que infelizmente ela acha que o maldito dinheiro irá resolver os problemas da sua vida. Pior de tudo, esta pessoa esta cega, nada que eu diga a faz mudar de opinião. Não que eu seja perfeito, sei muito bem que infelizmente necessitamos do dinheiro para nossa sobrevivência, não para escravidão. Desculpa pelo desabafo pois estou perdendo as esperanças de querer ajudar alguém e não ser compreendido.

    1. Entendo a sua colocação Saulo. A dica que eu te dou é deixar as coisas acontecerem naturalmente, inclusive de esta pessoa que você busca ajudar “quebre a cara” em alguma situação. Tenho aprendido na vida que cada pessoa tem o seu próprio tempo e ritmo para aprender tudo na vida, umas aprendem mais rápido e sem maiores dificuldades ou transtornos, outras só aprendem no sofrimento, ou no dito popular “na pêia”!
      O principal é seguirmos nosso caminho em consciência e espalhando essa consciência com amor e serenidade. Assim, mesmo de forma “invisível”, a gente consegue tocar as pessoas!
      Grande abraço e obrigado pelo seu comentário!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *