Entendendo a antipatia, apatia, simpatia e empatia

podcast-365-i

Essas 4 palavras são extremamente parecidas mas tem significados bem diferentes e representam contextos bem diferentes também.

Farei uma breve explanação didática para que você compreenda bem a diferença entre esses 4 comportamentos e busque cada vez mais cultivar e praticar a EMPATIA, o mais nobre dentre eles.

O que me inspirou a escrever esse texto foram as palavras do psicólogo Vitor Antenore Rossi, que com muita simplicidade e didatismo explicou em uma vídeo aula esses conceitos. O exemplo que ele utilizou foi brilhante. Vamos a ele…

Digamos que num determinado dia houve um acidente com um motoqueiro e ele ficou ensanguentado e imobilizado no chão. Como seria os 4 comportamentos?

Antipatia

Seria uma pessoa que passaria no local do acidente, veria que o trânsito ficou congestionado por causa dele e olharia para o seu relógio com raiva porque vai se atrasar no seu compromisso.

Ele ou ela xingaria, gritaria e buzinaria para quem estivesse perto do local do acidente. Chamaria o acidentado por nomes feios e continuaria seu caminho bufando de raiva.

Ou seja, os antipáticos são em sua maioria pessoas EGOÍSTAS e EGOCÊNTRICAS, que não conseguem de forma alguma olhar para o outro e se possível ainda tenta prejudicá-lo…

Apatia

Esse é o comportamento clássico das pessoas que são INDIFERENTES, o que considero um sentimento terrível e gosto sempre de complementar que indiferença é o oposto do amor, e não o ódio como muitos pensam, o que abordei com mais detalhes neste texto [aqui].

O apático seria aquela pessoa que ficaria inerte ao acidente e pensaria assim:

– Como é que eu faço para pegar outra rota já que essa está congestionada?

Perguntaria a alguém sobre outro caminho e seguiria impassível ao que ocorreu.

Infelizmente dentro desse grupo existem muitas pessoas com transtornos psiquiátricos e por conta deles tem um comportamento frio na maioria das vezes.

Apesar de tudo, ser apático é menos prejudicial do que ser antipático, já que a pessoa fica isolada no seu mundo, sem causar nada nos outros…

Simpatia

Esse já é um comportamento bem melhor, pois quem tem simpatia sabe olhar para a necessidade do outro, porém, existe um detalhe importantíssimo, ela o faz com certo DISTANCIAMENTO. É tipo: “Eu cá, você lá”.

Não há tanta troca, não há tanta conversa. Você sabe o que a outra pessoa precisa, tenta fazer algo de positivo em prol dela, mas não passa muito disso. Os afetos ficam totalmente de fora!

Uma pessoa simpática nessa hora pensaria:

– Caramba, esse cara precisa de ajuda. Vou parar meu carro e ligar para o SAMU.

O SAMU atende, ele diz qual o endereço do ocorrido e segue viagem. Enfim, ele pode ajudar, mas à distância, o que pode ser considerado positivo.

Empatia

Essa é a mais nobre das atitudes. Uma pessoa empática é aquela que sente a dor do outro como se fosse nela própria e faz de tudo para conseguir ajudar, para conseguir resolver o que quer que seja e que esteja ao seu alcance.

Ela imediatamente colocaria placas ou sinalizadores para que ninguém com seus carros passe por cima do motoqueiro, liga para o SAMU, tenta ajudar dando palavras de conforto e segurança para ele e não sai de lá enquanto o motoqueiro não é levado com segurança para o hospital. Se duvidar ainda pede o telefone do rapaz para perguntar se ele ficou bem.

Percebe como é bem diferente?

Vivemos numa sociedade onde o número de pessoas empáticas verdadeiramente é muito reduzido. Existem muitos simpáticos, um número bem maior de apáticos e talvez os antipáticos sejam a minoria.

Psicologicamente falando, existe uma espécie de grau de elevação de consciência dessa maneira:

Antipatia < Apatia < Simpatia < Empatia

A empatia está no topo, enquanto a antipatia está na pior postura.

Quero deixar você que me lê  bastante ciente de que todos nós, absolutamente todos nós, já nos comportamos das 4 maneiras. O que acontece é que aqueles que buscam se aperfeiçoar, melhorar o jeito de ser, vencer os conflitos internos, se aprofundar na espiritualidade etc. pouco a pouco vão se tornando empáticos.

É um exercício diário e bem difícil, mas extremamente recompensador, tanto para o empático, como para aqueles a quem ele ajuda.

Existem livros e livros falando sobre como desenvolver em nós a empatia, é um assunto vastíssimo e interessantíssimo, mas para os leitores de primeira viagem o livro que mais sugiro se chama “Inteligência emocional”, do Daniel Goleman. Um best seller que é considerado uma leitura obrigatória entre os estudantes de Psicologia.

Esse livro aborda a empatia com muita profundidade e didatismo. Recomendo fortemente a sua leitura!

Que você busque cada vez mais nutrir esse comportamento nobre e que está tão carente no mundo atual onde as pessoas tem se voltado cada vez mais para si mesmas e olham somente para o seu umbigo. Seja mais empático e procure ajudar os outros na medida do possível, utilizando suas qualidades e seus dons para promover o bem do maior número de seres…

 

 

 

Isaias Costa

Sobre Isaias Costa

Isaias Costa. 27 anos. Sou Bacharel em Física e Mestre em Engenharia Mecânica. Descobri o meu amor pela escrita nas dificuldades que passei no meu caminho, aliado ao prazer de ler sobre Filosofia, Psicologia e Teologia. Este blog trata de assuntos em sua maioria filosóficos, com o objetivo de nos fazer pensar e se questionar sobre as grandes questões da vida. Também escrevo nos blogs "Para além do agora" e "Universo de Raul Seixas". www.paralemdoagora.wordpress.com www.universoderaulseixas.wordpress.com Sejam todos bem-vindos ao "Artesanato da mente"...

4 thoughts on “Entendendo a antipatia, apatia, simpatia e empatia

  1. Olá, boa noite

    Gostaria de mandar pra você um exemplar da autobiografia do Osho. Para qual endereço posso enviar?

    Desde já, obrigada!

    Abraços

    1. Nossa Tamiris! Quanto carinho e quanta gentileza a sua! Estou imensamente agradecido pela sua generosidade. Eu sou um mega fã do Osho e tudo que vier dele é sempre muito bem vindo. Bem, o endereço que você pode mandar é esse aqui de Fortaleza OK? Que é onde moro!

      Rua Agapito dos Santos 417 Centro Fortaleza- CE, CEP 60010-250

      Deixo para ti minha sincera gratidão pelo teu carinho e generosidade querida! E continue acompanhando o blog que vem muita coisa boa pela frente! Beijo!

  2. Olá Isaias,

    Ótimo post, sempre que leio sobre estes conceitos aprendo algo novo.

    No início do post você cita um vídeo de uma aula do Vitor Antenore Rossi.

    Procurei mas não encontrei este vídeo em específico.

    Você teria o link para nos passar?

    Att.

    Manfred P. Wilke

    1. Nossa! Já faz um certo tempo que escrevi esse texto e não consigo lembrar exatamente qual foi o vídeo dele. Na época até pensei em colocar o link do vídeo, mas pelo fato de ser um vídeo de 1h, achei que os leitores não se interessariam de assisti-lo. Ele fala esses exemplos em alguns minutos de uma das suas video-aulas do grupo de estudos do livro “Autodescobrimento” de Divaldo Franco e Joanna de Angeles.
      Tentei lembrar mas realmente não consegui o vídeo exato, mas vou te passar o link desse grupo de estudos do youtube! Em minha opinião vale a pena ouvir TODOS eles do começo ao fim! Eu fiz isso e continuo fazendo, afinal, esses vídeos continuam sendo postados até a presente data!
      É isso meu amigo! Muito obrigado pelo seu comentário e por ter gostado do texto!! Abraço!
      https://www.youtube.com/watch?v=WFexvZud_m8&list=PLR5qI-QHR_HkkmPenuTHsMaNosZEqLe1C

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *