É preciso transcender ao nosso tempo

caneta

Estamos vivendo uma época em que a cultura está sendo distorcida por milhares de produtos descartáveis. Nossa sociedade consumista incentiva a busca por culturas de entretenimento e não de reflexão, que são as que podem ficar para a posteridade.

 É triste constatar esta realidade. Eu busco seguir um caminho diferente, busco culturas engrandecedoras, que muitas vezes estão lá no passado, entre os escritores da antiguidade ou do séculos XVIII, XIX e XX.

 Hoje em dia, quase tudo está se transformando em indústria, e a do entretenimento é uma das mais lucrativas. Estava lendo um livro delicioso chamado “A civilização do espetáculo”, de Mario Vargas Llosa, que traz essa reflexão, e um trecho me chamou bastante atenção, que transcrevo abaixo.

“A diferença essencial entre a cultura do passado e o entretenimento de hoje é que os produtos daquela pretendiam transcender o tempo presente, durar, continuar vivos nas gerações futuras, ao passo que os produtos deste são fabricados para serem consumidos no momento e desaparecer, tal como biscoitos ou pipoca. Tolstoi, Thomas Mann e ainda Joyce e Faulkner escreviam livros que pretendiam derrotar a morte, sobreviver a seus autores, continuar atraindo e fascinando leitores nos tempos futuros. As telenovelas brasileiras e os filmes de Hollywood, assim como os shows de Shakira, não pretendem durar mais que o tempo da apresentação, desaparecendo para dar espaço a outros produtos igualmente bem-sucedidos e efêmeros. Cultura é diversão, e o que não é divertido não é cultura. ”

 Mario Vargas Llosa

 Ao ler essas palavras, me lembrei de um homem incrível que morreu recentemente e vai fazer uma falta danada, seu nome é Rubem Alves, um dos pensadores mais brilhantes do século XX e início do XXI, que infelizmente nos deixou no dia 19/07/2014.

 Ele sempre dizia que adorava escrever coisas que carregassem seu sangue, parte dele em cada palavra. Ele até brincava que gostaria de ser “comido” através dos seus livros. É bem verdade, sempre que leio seus livros, parece que o mundo pára e vou viajar em universos paralelos da imaginação incrível deste senhor genial.

 Por que pessoas brilhantes como o mestre Rubem estão se tornando escassas? Porque a maior parte das pessoas está se contentando com culturas chulas, que não levem a pensar, a refletir, a questionar, a duvidar, ingredientes necessários para se construir um ser humano mais crítico e conscientes.

 Estamos vivendo em uma civilização do espetáculo, como diz o título do livro do Mario Vargas. Preciso dizer uma coisa um pouco óbvia, mas que dói em algumas pessoas, muitos optam por culturas vazias por saberem que dão lucro, dinheiro. As pessoas gostam de pagar por culturas engraçadas e não reflexivas, muitas pensam que conteúdos para pensar é “papo chato de psicólogo”. Será? Já reparou o tanto de pessoas que estão perdendo o sentido das suas vidas? Que se tornam cada vez mais dependentes de entretenimentos para ter grãozinhos de felicidade? Será que estou falando bobagens?

 Estamos ficando cada vez mais distraídos e entorpecidos, buscando futilidades. Tudo isso se reflete na cultura e na literatura. Hoje em dia, um livro que venda mais que 5 mil exemplares em 1 ano é um best-seller, sabia disso?

 Só quero levar você a pensar um pouquinho sobre isso, e saber que as coisas que ficam realmente para a posteridade são aquelas “escritas com sangue”, como diria o brilhante filósofo Nietzsche, ou seja, as culturas que carregam a alma de seus autores. E não me restrinjo à Literatura. Isso se verifica na música, no cinema, no teatro, nas pinturas, esculturas, em todo tipo de arte e cultura. Sempre as que ficam e se perpetuam são as produzidas com amor genuíno de seus autores, não por interesses puramente financeiros, o que vemos tão comumente hoje.

 Vale a pena pensar um pouco sobre isso e decidir. Que tipo de cultura eu vou consumir?

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

 

Isaias Costa

Sobre Isaias Costa

Isaias Costa. 28 anos. Sou Bacharel em Física e Mestre em Engenharia Mecânica. Descobri o meu amor pela escrita nas dificuldades que passei no meu caminho, aliado ao prazer de ler sobre Filosofia, Psicologia e Teologia. Este blog trata de assuntos em sua maioria filosóficos, com o objetivo de nos fazer pensar e se questionar sobre as grandes questões da vida. Também escrevo nos blogs "Para além do agora" e "Universo de Raul Seixas". www.paralemdoagora.wordpress.com www.universoderaulseixas.wordpress.com Sejam todos bem-vindos ao "Artesanato da mente"...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *