Robin Williams: mais uma vítima das drogas e depressão no mundo das celebridades

Mais um talento ceifado no mundo das celebridades vitimado pela depressão e não obstante a dependência de drogas lícitas e ilícitas. Robin Williams foi encontrado morto em sua residência nesta segunda-feira, dia 11. 

robin willians ancoradouro 2

De acordo com informações do site TMZ, Williams suicidou-se. Primeiro tentou cortar os pulsos.A tentativa resultou em cortes superficiais. Foi quando tomou um cinto e enforcou-se. 

Drogas:

Em 1998, o ator falou com a revista VEJA sobre sua situação de dependência química: “Eu me tratava com um psiquiatra que dizia não haver problema em cheirar cocaína, desde que o consumo fosse controlado”, afirmou. “Até o dia em que descobri que ele cheirava muito mais do que eu. O efeito da droga é extremamente sedutor. O problema é que ela passa a dominar você, a controlar sua vida”.

Williams determinou-se a deixar as drogas em 1983 quando soube que seria pai. Por 20 anos ficou limpo e viu sua carreira deslanchar tendo neste período 4 indicações ao Oscar. Em 2010 revelou que estava frequentando um grupo dos Alcoólicos Anônimos e por conta própria decidiu entrar  em uma clínica de reabilitação. 

Comentário

Na contramão do que acontece no mundo das celebridades e no mundo das pessoas anônimas cresce a corrente que pede a legalização das drogas, especialmente da maconha. 

Tentam de todas as formas, usando os mais variados expedientes. No Brasil não é diferente. A comissão de Direitos Humanos do Senado realiza uma série de audiências para debater o assunto. O relator do projeto , o senador Cristovam Buarque, ainda não emitiu parecer sobre a matéria. 

Confira matéria exibida na TV Diário:

<iframe src=”http://fast.player.liquidplatform.com/pApiv2/embed/31c625f41b00fd5bc3ad8b37e8fcf9dd/1d4a2a7f29ead490db152e24d8d7195a?autoStart=true” width=”380″ height=”313″ frameborder=”0″></iframe>

Vereador de Fortaleza defende a legalização da maconha

O vereador João Alfredo (PSOL) defendeu nesta quarta-feira, dia 6, a legalização da maconha. O líder do partido socialista baseou sua fala no projeto de lei n° 7270 do Deputado Federal Jean Wyllys (PSOL-RJ), que legaliza, regula e controla o uso da maconha no Brasil.

Vereador João Alfredo (Psol). Foto: Genilson de Lima.

Vereador João Alfredo (Psol). Foto: Genilson de Lima.

Maconha não é tão prejudicial à saúde quanto o cigarro ou o álcool, foi o argumento principal do vereador para a defender a legalização. Segundo o portal da Câmara dos Vereadores , João Alfredo afirmou que o cigarro mata milhões de pessoas e é legalizado. “O cigarro mata seis milhões de pessoas ao ano, e é legalizado. É plantado e tem apoio do governo. E é o ministério da agricultura que incentiva o plantio do cigarro”.

Na Câmara dos vereadores entre as funções de João Alfredo  está a presidência da  Comissão de Direitos Humanos, da Mulher, da Juventude, da Criança e do Idoso,

Comentário

O vereador manteve-se na discussão rasa sobre o assunto, na base do ” se não se pode controlar, libera”. Já pensou se o raciocínio pífio é empregado para outras deficiências sociais que encontramos neste tempo?

Não consta, ao menos, nos textos sobre a fala de João Alfredo que ele tenha apresentado a totalidade do projeto do deputado Jean Wyllys, pois, embora tenha como temática principal a maconha, o PL propõe absurdos como anistia para traficantes, espaços públicos para uso de drogas com a presença de profissionais pagos pelo estado e o controle “controle de pureza e detecção da presença de aditivos perigosos em substâncias psicoativas lícitas ou ilícitas“.

ANCORADOURO já postou sobre o projeto de lei do deputado Jean Wyllys. Conferir no link abaixo:

Lei pró-drogas de Jean Wyllys propõe anistia de traficantes

Maconha faz mal,sim.

A onda que propaga os benefícios da maconha equivoca-se ao não informar a população que a droga é maléfica. O colunista Rocardo Setti, expôs em seu blog um texto de recomendada leitura: “Maconha faz mal, sim. Quem diz é a medicina”.

Mais sobre João Alfredo

João Alfredo começou sua militância na Pastoral da Juventude da Paróquia São Vicente, em Fortaleza. Mais tarde, militou ativamente no movimento estudantil. Em 1979, participou da reabertura do DCE-UFC, da UNE e do Centro Acadêmico Clóvis Beviláqua (Direito-UFC), tendo sido eleito presidente desta entidade no mesmo ano.

Na Câmara dos vereadores sua última função foi com presidente da Comissão de Direitos Humanos, da Mulher, da Juventude, da Criança e do Idoso, João Alfredo é também membro da Comissão de Desenvolvimento Urbano, Habitação e Meio Ambiente.

Biografia com informações do site do vereador.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *