Repugnante intolerância da militância gay

Defensores da causas gay demonstram que não possuem bom senso.
Defensores da causas gay demonstram que não possuem bom senso.

Há países e credos que punem a homossexualidade com a morte, humoristas escracham os esteriótipos gays mundo afora, artistas e políticos já foram flagrados dizendo palavras de ódio e chacota contra a minoria. Mas o rancor  dos militantes deste movimento volta-se sempre contra a Igreja Católica. Logo a instituição que diz em seu Catecismo que os homossexuais devem tratados com respeito e carinho.

Estes grupos que hasteiam a bandeira da  tolerância perdem toda a credibilidade ao agirem com completa intolerância. Como o grupo de estudantes romanos que para promover um festival de cinema gay produziram e distribuíram um panfleto com a imagem do Papa emérito Bento XVI maquiado (imagem ao lado).

Completo desrespeito. Fragrante agressão gratuita a um idoso que optou por uma vida recolhida no fim de sua jornada. Claro, que os polidos defensores da causa não acharam nada demais. Certamente se panfletassem a imagem de um homossexual travestido de veados os idealizadores seriam acusados de homofóbicos.

Não é a primeira vez, de longe não será a última ofensa dos militantes à Igreja Católica e seus líderes. Isto só evidencia a pouca inteligência de alguns ativistas gays  que se pretendem representantes  da minoria que é manipulada.

Andrea Nicolussi, jurista da Universidade Católica de Milão, sintetizou bem o teor da imagem: “uma provocação paradoxal, já que quem combate a discriminação está, por sua vez, discriminando. Como católico me surpreendeu o fato de que o papa emérito, como ser humano, foi tratado mal. É uma pessoa idosa que escolheu retirar-se da vida pública e sua vontade foi violada“.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *