Primeira iconógrafa de Fortaleza fala sobre ofício milenar

Ela nasceu em Milagres (BA), cidade situada a 241 km da capital soteropolitana. Desde criança, manifestou interesse pelas artes, coisa que familiares e amigos logo perceberam e prontamente incentivaram. Em 1995, formou-se em Belas Artes , pela Universidade Estadual da Bahia. Três anos depois, fez a opção de deixar seus planos e seguir uma vida missionária. Em 2007, recebeu das mãos do bispo Melquita, Dom Fares Makaroum, a bênção que lhe conferiu a unção de ser iconografa, a primeira da Comunidade Católica Shalom. 

Guadalupe Monteiro Cabral. Foto: comshalom
Guadalupe Monteiro Cabral. Foto: comshalom
Estamos falando de Guadalupe Monteiro Cabral, membro da Comunidade de Vida Shalom há 19 anos. “Conheci a realidade profunda dos ícones na Comunidade (Shalom). Na faculdade havia estudado, mas de forma superficial”, disse Guadalupe. Ela afirmou que a descoberta da beleza e do sentido do sagrado, além da sua consagração, levaram-na a servir na arte da iconografia, algo que ela define como “uma arte de oração e de contemplação”.
Sobre a experiência de escrever um ícone (na iconografia usa-se o termo escrever e não pintar), a iconógrafa descreveu que, de um modo pictórico – imaginativo, ela “vê” a Palavra e, através da arte, a torna visível. O processo de criação de cada ícone passa por uma rigorosa pesquisa nas fontes da Sagrada Escritura, na patrística (estudo dos padres da Igreja) e nos documentos da Igreja. “Tudo segundo a tradição, pois não posso fazer nada que não seja embasada no que a Igreja ensina”, referenda Guadalupe.
Ícone escrito por Guadalupe foi entregue ao então Papa Bento XVI.
Ícone escrito por Guadalupe foi entregue ao então Papa Bento XVI.
 O primeiro ícone escrito por Guadalupe foi “O Príncipe da Paz” (atualmente presente na capela de uma das residências da Comunidade de Vida, Casa Mãe 3, em Fortaleza). Já o ícone que mais lhe chama a atenção é o do Cristo Pantrocrator, considerado por ela “modelo para todos os outro”.
Ao ser indagada sobre qual passagem bíblica gostaria de escrever um ícone, Guadalupe revela que tem grande apreço pelo mistério da paixão, de um modo especial, pela cena de Jesus descido da cruz, nos braços de Maria.
Por ocasião do Reconhecimento Pontifício da Comunidade Católica Shalom, em 2007, foi oferecido à sua santidade, então papa Bento XVI, como presente, o ícone da “Dimensão Petrina e Mariana da Igreja”, escrito por Guadalupe. “A escrita daquele ícone foi uma bênção para minha missão”, disse a missionária. Em agradecimento ao presente, o santo padre enviou carta de agradecimento à Comunidade. “Fiquei feliz, pois foi entregue ao santo padre algo que é fruto da beleza da Comunidade e do nosso amor por ele”, testemunhou.
Guadalupe foi a primeira iconógrafa do Shalom e de Fortaleza.
Guadalupe foi a primeira iconógrafa do Shalom e de Fortaleza.
Através da Comunidade Shalom, a veneração dos ícones teve um novo impulso na Igreja do Brasil. As pessoas, ao primeiro contato com essa arte, são de algum modo interpeladas, pois eles trazem características peculiares que os fazem diferentes de outras imagens clássicas mais presentes em nossa cultura ocidental. “Nesta inquietação, que surge nas pessoas, podemos dar uma resposta, explicar o sentido do ícone, dizer o que significa suas cores, seus traços. Aí surge uma oportunidade de evangelização”, finaliza Guadalupe.
– Os trabalhos da Assessoria Litúrgico-Sacramental, da qual Guadalupe faz parte, podem ser vistos e adquiridos no ateliê de iconografia, pintura e objetos sacros, localizado na Diaconia Geral, sede do Governo Geral da instituição em Aquiraz. Mais informações: 85 3308.7400

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *