Paróquias da IPDM se declaram a favor do aborto e rompem com ensinamento de Francisco e CNBB

Um conjunto de paróquias da Diocese  de São Miguel Paulista – SP integra  a Associação Povo de Deus em Movimento -IPDM, adepto ao ideal da Teologia da Libertação. O grupo estarreceu católicos de todo o Brasil ao  se manifestar favorável à decisão do Supremo Tribunal Federal – STF que  decidiu  nesta terça-feira, dia 29, que aborto até o terceiro mês de gravidez não é crime.

Grupo de diz católico e defensor do aborto.
Grupo de diz católico e defensor do aborto.

Em sua página no Facebook a associação disse que “todas as medidas que vão promover igualdade entre raças, gênero ou de natureza socioeconômica, geram embates entre pessoas conservadoras e subjugam as minorias” – ainda emendaram com uma forte crítica aos grupos pró-vidas – “a partir da ótica da meritocracia e do pseudo diálogo cristão conservador ‘a favor da vida’, porém, esse discurso é seletivo, preconceituoso e discriminatório uma vez que é de conveniência, tal qual o julgamento da moral pelo olhar da fé cristã”.

Feto de três meses.
Feto de três meses.

O Grupo que se diz católico e seguidor fiel do Papa Francisco parece ter rompido  com um dos ensinamentos mais contundentes do pontificado de Francisco. O Romano Pontífice   é um ferrenho defensor da vida e já deixou claro em muitas ocasiões sua  aversão ao aborto que ele classifica dentro da cultura do descartável.

O grupo também rompe com a orientação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB que já emitiu nota contra a decisão do STF.A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, por meio de sua Presidência, manifesta sua posição em defesa da integralidade, inviolabilidade e dignidade da vida humana, desde a sua concepção até a morte natural (cf. Constituição Federal, art. 1°, III; 3°, IV e 5°, caput)”, lê-se no texto assinado pelo cardeal e presidente da conferência, Sergio da Rocha.

A Igreja do Povo de Deus em Movimento chega a dizer que “é inaceitável a influência de valores morais cristãos na decisão do estado”. Entretanto o grupo é conhecido pela militância político-partidária naquela região de São Paulo, contradizendo deste modo o que prescreveram na nota fraca e descomprometida com a vida  dos mais pobres, neste caso, milhares de crianças indefesas.

[Atualização de informações 2/12/2016 – 16h29]

IPDM recua e emite nota se dizendo fiel ao Magistério da Igreja no que diz respeito ao aborto.

Dada a repercussão negativa na página do coletivo IPDM, a instituição excluiu a postagem  e emitiu nota dizendo que o texto publicado favorável à decisão do STF  não fora autorizado pela administração da IPDM. O coletivo informou em letra garrafais que “O TEMA DO ‘ABORTO’ NUNCA FEZ PARTE DAS PAUTAS DE ‘IGREJA – POVO DE DEUS – EM MOVIMENTO’ – IPDM”.

9 thoughts on “Paróquias da IPDM se declaram a favor do aborto e rompem com ensinamento de Francisco e CNBB

  1. O direito de um – aqui, no caso, de dois – acaba onde começa o de outro. A concepção da vida, resultado do encontro de dois corpos, é própria e inviolável. Não tem juiz, ministro, rei ou ditador que possa legislar sobre esse assunto, salvo em defesa da vida do nascituro. Quem aprova não tem outra designação senão a de ASSASSINO. Estas pessoas, desumanizadas, são desprovidas de qualquer sentimento. Como Hitler, Fidel… matariam qualquer um sem escrúpulos e piedade.

  2. Meu deus aonde está o conceito humano a favor a vida, liberar o aborto é tornar uma insanidade contra a vida humana na terra, a mulher assim como imagem e semelhança a nossa mãe criadora Jesus Cristo, um dia perseguido por reis aproveitadores desumanos um tentaram contra a vida de deus, e ela o preservou a sua vida até se tornar homem, porém deus estava no comando, e assim conduziu para salvar a humanidade, jamais podemos aceitar uma aberração contra a vida humana na terra, ficaremos vigilantes a favor da vida, não podemos aceitar uma carnificina de feto ou quaisquer que sejam a vida humana na terra, abrir a guarda agora é tornar a entrada mal na vida humana descaracterização do ser humano a sua sobrevivência e vivência na terra, o fim da geração humana perderá o valor é o mal pode entrar nela e o fim da geração humana se acaba aqui , se o aborto for legalizado, não não contra o aborto.

  3. E o que eles estão fazendo nas Paróquias ainda? Que saiam, porque já não são (se é que já foram) católicos. Vão defender isso no meio da rua. Simples. A CNBB deveria admoestá-los para que parassem com isso. Caso contrário, excomunhão neles. É triste, mas é o jeito. Ou deveríamos tolerar um absurdo desses? Eu deveria chegar na torcida organizada do Flamengo e sair gritando “Salve o Vasco!” e eles deveriam “tolerar”? É brincadeira. Quer defender aborto, vá pro meio da rua e, de preferência, longe de mim. Mas, estou aberto ao debate, sem dúvida – NUNCA à “negociação”. NUNCA.) Isso sem contar a decisão arbitrária, criminosa, espúria encabeçada pelo sr. Luís Roberto Barroso. Ao contrário do que alega esse movimento “da” Diocese de S. Miguel Paulista, opor-se à abjeção encetada pelo STF na última terça não é argumento “religioso” apenas: novamente, o STF usurpou a competência legal do Congresso, como no caso dos anencéfalos. Que isso tem de “religioso”? É pura delinquência intelectual, é pura vigarice alegar isso.

  4. http://sensoincomum.org/2016/09/08/nacao-zumbis/

    A nação dos zumbis – Senso Incomum
    sensoincomum.org/2016/09/08/nacao-zumbis/
    A nação dos zumbis. Tom Martins 08/09/2016. Como gerações de brasileiros são atualmente vítimas de um dos maiores e mais bem-sucedidos processos de …

  5. Como católicos cristãos, no mínimo devemos amar e respeitar nossa Mãe IGREJA com tudo aquilo que nos pede o nosso Papa. Mas quando o assunto se refere ao nascituro indefeso, nosso carinho e proteção deva ser ainda maior e mais fiel ao compromisso que temos com Jesus – aquele que gera vida, acolhe e transforma. Devemos com certeza, pedir a esse Jesus amado e sua Mãe Santíssima que olhe por toda nossa Igreja, em especial a grupos que se perdem em pensamentos e demonstrações de atos contra a vida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *